FIFPro alerta para risco 'extremamente alto' de lesões na Copa do Mundo

Sobrecarga de jogos do atacante inglês Harry Kane é citada pela FIFPro . (Foto: JUSTIN TALLIS / AFP)


O sindicato internacional dos jogadores (FIFPro), se mostrou preocupado com as circunstâncias únicas e as alterações no calendário para a realização da Copa do Mundo do Qatar. Segundo especialistas, isso criou um risco sem precedentes para lesões.

+ Senegal divulga lista e põe fim a incerteza sobre presença de Mané no Qatar

A paralisação das grandes ligas apenas uma semana da abertura do torneio, que consequentemente, impossibilitou a preparação, é citado pelo sindicato como um fator-chave para colocar os atletas em risco. Além do mais, o impacto do calor e a sobrecarga acumulada dos atletas na temporada podem afetar o desempenho dos jogadores durante e no pós-Copa.

- Acho que o risco (de lesão) é maior, assim como o risco de fadiga nas próximas quatro semanas. Os jogadores podem não estar disponíveis quando os maiores jogos forem disputados - disse Jonas Baer-Hoffmann, secretário-geral da FIFPro.

A FIFPro pretende divulgar nos próximos dias um relatório que investiga esse impacto da Copa do Mundo no meio da temporada europeia. O documento também detalha a carga extra experimentada por atletas como Harry Kane e Kylian Mbappé durante esse ano atípico.

- Acho que a probabilidade disso é certamente maior (do que em outras Copas do Mundo). Ainda podemos ver uma Copa do Mundo incrível porque os jogadores estão deixando tudo de fora e podemos ver alguns países jogando um futebol milagroso, mas o quadro maior aumenta a probabilidade de lesões e a probabilidade de desempenho limitante da fadiga. Isso é o que a ciência diz - afirmou Jonas Baer-Hoffmann.

Segundo Darren Burgess, consultor da FIFPro e ex-diretor de alto desempenho do Arsenal, a Copa terá um número maior de ausências devido ao tempo insuficiente para a recuperação de algumas lesões.

- O número de lesões nos tecidos moles que afastaram os jogadores desta Copa do Mundo é definitivamente maior porque você simplesmente não tem tempo. Antes, se alguém machucasse o tendão no último jogo da temporada da Premier League, você ainda tinha 35 dias para restaurar essa lesão antes da sua primeira Copa do Mundo. Você simplesmente não tem isso agora - declarou antes de completar.

- Adicione o calor e você terá um risco extra. O calor do Catar é algo a que muitas equipes não foram expostas e não estão acostumadas - analisou.