Fifa vai introduzir teto nas taxas em amplas mudanças em regras para empresários de jogadores

Logo da Fifa perto da sede da entidade em Zurique, na Suíça

Por Peter Hall

MANCHESTER, Inglaterra (Reuters) - A Fifa introduzirá na próxima semana amplas mudanças nas regras sobre como os empresários de jogadores futebol operam, incluindo um limite para as comissões de transferência que eles recebem e a introdução de uma prova para exercer a profissão, disse o órgão regulador do esporte nesta sexta-feira.

As taxas pagas pelos clubes pelos serviços de intermediários foram de 622,8 milhões de dólares em 2022, informou a Fifa no mês passado, marcando um aumento de 24,3% em seus gastos com taxas em comparação com 2021.

Após a aprovação das mudanças acordadas em uma reunião do Conselho da Fifa em Doha, os agentes podem receber uma comissão máxima de 3% para qualquer transferência acima de 200 mil dólares e de 5% para negócios abaixo de 200 mil.

Sob os novos regulamentos, que entram em vigor na segunda-feira, os empresários também devem tornar públicas todas as transações, permitindo que os torcedores vejam quanto recebem pelos negócios.

As outras mudanças importantes incluem a introdução de um sistema de licenciamento obrigatório e a proibição de representação múltipla para evitar conflitos de interesse.

As pessoas que desejam se tornar representantes agora devem seguir um processo rígido, incluindo a necessidade de passar em uma prova da Fifa e, em seguida, pagar uma taxa anual ao órgão regulador.

"Isso marca um passo histórico para o estabelecimento de um sistema de transferências de futebol mais justo e transparente", afirmou a Fifa em comunicado.

"O novo regulamento introduz padrões básicos de serviço para empresários de futebol e seus clientes, tudo com o objetivo de reforçar a estabilidade contratual, proteger a integridade do sistema de transferências e alcançar maior transparência financeira."

Os principais agentes do setor expressaram desaprovação sobre as propostas no passado. Jonathan Barnett, presidente e fundador da ICM Stellar Sports, que representa vários jogadores importantes, já ameaçou tomar medidas jurídicas caso as mudanças nas regras entrem em vigor.

(Reportagem de Peter Hall)