Fifa proíbe Bélgica de utilizar segundo uniforme na Copa do Mundo por conta da palavra 'love'

Camisa lançada em setembro é motivo de polêmica (Foto: Divulgação/RBFA)


A Bélgica estreia na Copa do Mundo do Qatar na próxima quarta-feira, contra o Canadá, mas o uniforme da seleção já é motivo de polêmica. Nesta segunda-feira, a Fifa determinou que os belgas façam uma alteração em sua segunda camisa para o Mundial por conta da palavra 'love' (amor, em inglês) nas cores do arco-íris, em representatividade aos direitos LGBTQIA+.

A determinação da entidade máxima do futebol veio logo após a polêmica sobre as manifestações de seleções europeias sobre o uso das braçadeiras de capitães nas cores do arco-íris. Seleções como Inglaterra, Alemanha, Gales, Dinamarca e a própria Bélgica queriam utilizar braçadeiras em protesto anti-discriminação, mas a Fifa ordenou que o protesto não fosse realizado e ameaçou punir os capitães das equipes com cartão amarelo caso a iniciativa fosse tomada. O protesto foi abortado pelas seleções.

+ Com Lukaku lesionado e Hazard em baixa, De Bruyne assume protagonismo na Copa do Mundo


- A seleção belga jogará com a camisa principal vermelha durante os três primeiros jogos - disse Stefan Van Loock, porta-voz da Bélgica na Copa do Mundo, que afirmou que caso a seleção avance para a fase do mata-mata, essa questão será novamente discutida.

- A palavra 'amor' deve desaparecer. É triste, mas a Fifa não nos deixa escolha. O resto do uniforme permanece inalterado - também declarou Peter Bossaert, presidente da Federação Belga, ao site Nieuwsblad, da Bélgica.

+ Volante da Bélgica considera Seleção Brasileira como a grande favorita na Copa do Mundo

A camisa em questão é a segunda camisa da Bélgica, utilizada para jogos 'fora de casa', lançada no último mês de setembro, em parceria com a Adidas, sua fornecedora de material esportivo, com referências a 'Tomorrowland', famoso festival de música realizado no país. A palavra 'love', grafada na gola da camisa, tem a intenção justamente de propagar a inclusão e o respeito aos direitos LGBTQIA+.