Fifa pede que se leve em conta "contexto" em possíveis sanções por homenagens a Floyd

AFP
O meia do Borussia Dortmund, Jadon Sancho, mostra uma camisa com a mensagem "Justice for George Floyd" depois de marcar um gol sobre o Paderborn em uma partida da Bundesliga no dia 31 de maio de 2020
O meia do Borussia Dortmund, Jadon Sancho, mostra uma camisa com a mensagem "Justice for George Floyd" depois de marcar um gol sobre o Paderborn em uma partida da Bundesliga no dia 31 de maio de 2020

Diante dos gestos de alguns jogadores na Alemanha para homenagear George Floyd, que em princípio poderia ser penalizado, a Fifa pediu nesta terça-feira "bom senso" e que se leve em conta o "contexto", um dia após o anúncio de uma investigação por parte da Bundesliga.

A Fifa "entende perfeitamente a profundidade dos sentimentos e preocupações expressos por vários jogadores de futebol após as trágicas circunstâncias do caso George Floyd", o americano de 46 anos que foi assassinado pela polícia de Minneapolis na segunda-feira passada durante sua detenção.

A Fifa, que "mostra repetidamente sua oposição a todas as formas de racismo e discriminação", lembrou a aplicação das regras do jogo aprovadas pela Ifab: "Deixar os organizadores das competições, que devem mostrar bom senso e levar em consideração o contexto que envolve os eventos".

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A Comissão Disciplinar da Federação Alemã de Futebol (DFB) determinará se os gestos em homenagem a Floyd podem levar a uma penalidade, anunciou a próprio DFB na segunda-feira.

A entidade estudará "nos próximos dias" a situação de Weston McKennie (Schalke 04), Jadon Sancho (Borussia Dortmund) e Achraf Hakimi (Borussia Dortmund), que manifestaram sua indignação em relação às circunstâncias da morte de Floyd, a primeira com um mensagem na braçadeira de capitão e os outros com textos nas camisas.

A DFB disse que o cartão amarelo a Sancho não foi aplicado devido à mensagem política, mas porque ele levantou a camisa sobre a cabeça. "Isso é definido na regra número 12 como um comportamento claramente contrário às normas e independente de qualquer mensagem política", disse Lutz Michael Froehlich, chefe da unidade de árbitros de elite da DFB.

Já o atacante do Borussia Mönchengladbach, Marcus Thuram, que apoiou um joelho na grama, reproduzindo um gesto popularizado pelo jogador de futebol americano Colin Kaepernick para denunciar a violência policial contra a população negra nos Estados Unidos, não está incluído na lista de possíveis sanções.

"Tenho um grande respeito pelos jogadores que demonstraram solidariedade. Precisamos de jogadores responsáveis e tenho orgulho deles", disse o presidente da DFB, Fritz Keller.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse por sua vez que "para evitar mal-entendidos sobre as competições da Fifa, os recentes protestos de jogadores em jogos da Bundesliga merecem aplausos e não penalidade".

"Temos que dizer não a todas as formas de racismo e discriminação", acrescentou Infantino em declarações transmitidas à AFP na terça-feira.

"Temos que dizer não à violência e a todas as formas de violência", insistiu.

Leia também