Fifa entrega à Justiça suíça resultado de investigação interna

A Fifa decidiu que não vai renovar os mandatos dos presidentes da comissão de ética, o suíço Cornel Borbély e o alemão Hans-Joachim Eckert

A Fifa anunciou nesta sexta-feira que entregou à justiça suíça o resultado de sua investigação interna aberta em junho de 2015, logo depois da eclosão da mais grave crise de corrupção de sua história.

Ao término de "22 meses de investigação", a Fifa transmitiu à justiça suíça "relatórios que contam no total com mais de 1.300 páginas e contêm mais de 20.000 páginas de documentos de apoio", indicou a instância em um comunicado.

Na medida em que há processos abertos tanto na Suíça quanto nos Estados Unidos, nenhum detalhe foi comunicado sobre o conteúdo deste relatório, já que a Fifa está "legalmente obrigada a não divulgar ou comentar as conclusões de sua investigação interna".

"O relatório contém muitos e-mails e cópias de contratos, que serão úteis para as autoridades suíças", indicou à AFP uma fonte próxima à investigação interna.

Estes relatórios depois também serão "disponibilizados às autoridades americanas".

Contactado pela AFP, o Ministério Público da Confederação Suíça (MPC) ainda não havia reagido nesta sexta-feira.

"Terminamos esta investigação e entregamos as provas às autoridades, que continuam perseguindo aqueles que enriqueceram e abusaram de sua posição de confiança dentro do futebol", disse Gianni Infantino, presidente da Fifa.