Ferrari terá atualizações para abertura do campeonato de F1 na Áustria

Jonathan Noble
motorsport.com

A Ferrari planeja levar uma caixa de câmbio e motor revisados ​​para a abertura da temporada da Fórmula 1 no GP da Áustria, em uma tentativa de melhorar desempenho após exibição discreta nos testes de pré-temporada.

Após a não-realização do GP da Austrália e o atraso do começo do campeonato deste ano, a equipe italiana viu oportunidades para fazer atualizações e fazer duas mudanças importantes.

Ferrari F2004 (655) 2004 gearbox and rear wing assembly

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Ferrari F2004 (655) 2004 gearbox and rear wing assembly <span class="copyright">Giorgio Piola</span>
Ferrari F2004 (655) 2004 gearbox and rear wing assembly Giorgio Piola

Giorgio Piola

A Ferrari foi a primeira a introduzir a caixa de câmbio de titânio com uma combinação de proteção de carbono no F2004. É um recurso que agora é usado comumente no grid, pois é um projeto modular que significa que quaisquer alterações necessárias para suspensão ou aerodinâmica podem ser feitas sem incorrer em uma penalidade.

Ferrari SF70H 2017 engine

Ferrari SF70H 2017 engine <span class="copyright">Giorgio Piola</span>
Ferrari SF70H 2017 engine Giorgio Piola

Giorgio Piola

MOTOR EVO2

Como parte de um esforço separado, após os testes de Barcelona, ​​a Ferrari também levará sua unidade de segunda geração para a Áustria, em vez das especificações originalmente previstas para a Austrália.

O EVO2 normalmente teria que esperar até que a vida útil da primeira unidade de energia estivesse concluída, provavelmente antes do GP do Azerbaijão. No entanto, com os carros não competindo na Austrália, as equipes são livres para montar novas unidades de potência, caso desejem.

Entende-se que a nova unidade oferecerá cerca de 15 cv a mais que seu antecessor, pois a equipe recuperou parte do desempenho perdido pela adoção dos novos regulamentos para 2020.

Mattia Binotto, chefe da Ferrari, admitiu que as duas primeiras etapas do campeonato, ambas programadas para acontecer no Red Bull Ring, na Áustria, serão difíceis para a Ferrari e que, do ponto de vista aerodinâmico, os carros para essas corridas serão basicamente as mesmas da Austrália.

É mais provável que seja uma decisão pela necessidade da Ferrari de mudar o desenvolvimento de seu programa original para um que atenda às dificuldades do Red Bull Ring, um circuito que oferece um desafio bastante único, pelo fato de estar em torno de 660m acima do nível do mar.

Essas características requerem certas concessões de unidade de potência, em termos de resfriamento e impacto aerodinâmico.

Então, embora Binotto sugira que o carro será essencialmente o mesmo de antes, o que ele realmente quer dizer é que a equipe terá pouco em termos de mudanças conceituais maiores, com um pacote dianteiro revisado esperado nas corridas a seguir.       

Entrevista com Ricardo Penteado: histórias de Alonso, Nelsinho, Kubica e muito mais

PODCAST: Massa revela 'causos' hilários com Schumi, Kimi, Leclerc e cia

Your browser does not support the audio element.

Leia também