Ferrari confirma estar competitiva com segundo lugar no GP da China

Por Abhishek Takle
Reuters
Piloto da Ferrati, Sebastian Vettel, beija taça no pódio do GP da China de F1. 09/04/2017 REUTERS/Aly Song

Piloto da Ferrati, Sebastian Vettel, beija taça no pódio do GP da China de F1

Piloto da Ferrati, Sebastian Vettel, beija taça no pódio do GP da China de F1. 09/04/2017 REUTERS/Aly Song

Por Abhishek Takle

XANGAI (Reuters) - Lewis Hamilton pode ter ficado com a vitória no Grande Prêmio da China de Fórmula 1 no domingo, mas o segundo lugar de Sebastian Vettel comprovou que a Ferrari parece mais do que capaz de competir com a Mercedes.

Vettel causou certa surpresa ao vencer a prova de abertura da temporada no mês passado na Austrália, e apesar de correr em um circuito muito diferente e com um clima bem mais fresco, houve pouca diferença entre ele e o tricampeão Hamilton pela segunda semana consecutiva.

Os resultados em Melbourne e Xangai despertaram a esperança de que a rivalidade de início de temporada entre uma dupla que compartilha sete títulos mundiais e tem 43 pontos cada na pontuação geral se torne um duelo propriamente dito pelo título.

O desempenho na China, em particular, também acabou com qualquer dúvida restante sobre as chances de conquista do campeonato para a equipe mais bem-sucedida do esporte, para quem o triunfo na corrida inaugural representou uma volta bem-vinda à boa forma depois de um 2016 sem vitórias.

"Em uma pista e em condições que foram muito diferentes daquelas que tivemos em Melbourne, provamos que temos um carro potente", disse o chefe de equipe da Ferrari, Maurizio Arrivabene.

A escuderia italiana prometia ser competitiva já nos testes da pré-temporada, e se viu pouca distância entre o alemão Vettel e Hamilton em termos de ritmo e desempenho durante o final de semana em Xangai.

"A explicação é que a Ferrari cresceu nos testes em Barcelona, ganhou a primeira corrida e continua melhorando", disse o austríaco e tricampeão de F1 de 68 anos.

Leia também