Fernando Prass lança livro e ainda não se vê como ídolo do Palmeiras

Centenas de torcedores do Palmeiras lotaram uma livraria na Avenida Paulista para prestigiar o lançamento do livro biográfico do goleiro Fernando Prass, intitulado “Prass 38”. Um dos maiores nomes do elenco do Verdão, o arqueiro chegou ao clube paulista em 2013 e logo caiu nas graças da torcida. Mesmo com o carinho dos torcedores, o camisa 1 ainda não se vê como ídolo.

“Me perguntaram isso há um tempo atrás e eu disse que faltava títulos, de história. Já consegui dois títulos importantíssimos, consegui um número de jogos razoável, tenho até mais um tempo de contrato. Acho que essa ideia vou ter quando parar de jogar, quando parar de jogar vou ter uma noção do que represento para o clube”, comentou Prass à Gazeta Esportiva.

Escrito pelo jornalista Andrei Kampff, o livro conta passagens da vida de Prass, desde sua infância em Curitiba, até o estrelato como sucessor de Marcos no gol do Palmeiras. Recheado de momentos de superação, a obra também apresenta alguns momentos conturbados da história do goleiro de 38 anos, como quando teve que separar uma discussão acalorada entre o técnico Cuca e o atacante Rafael Marques, em meio ao vestiário palmeirense.

No último ano, o goleiro viveu um dos melhores momentos de sua carreira, participando da conquista do Campeonato Brasileiro e sendo convocado pela primeira vez para defender a Seleção Brasileira. No entanto, mesmo com duas grandes conquistas, o ano teve um dos momentos mais tristes de sua história.

Durante os treinamentos para a disputa dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o goleiro acabou lesionando o cotovelo esquerdo e ficou sem atuar por quase quatro meses. “Foi muito difícil chegar onde cheguei, mas em termos de frustração, decepção profissional, com certeza foi a lesão”, comentou.

Centenas de pessoas enfrentaram algumas horas de fila para tirar uma foto e ter o livro autografado por Prass. Em meio a um mar de palmeirenses, foi possível observar um tímido torcedor com a camisa do Vasco da Gama, clube que Prass defendeu durante três temporadas.

“É uma história muito particular, da minha vida, da história que tenho no futebol. Passei muitas dificuldades, graças a Deus não financeiramente, mas dificuldades no futebol. Mesmo assim, sempre batalhei, lutei para ser jogador. Depois de um tempo lutei com mais seriedade. O livro conta além disso, conta passagens da minha vida, na infância, com amigos em Curitiba. A maioria das pessoas conhecem o jogador, no campo, mas acho que o livro ajuda a ver que o jogador de futebol também é uma pessoa comum”, finalizou o atleta.

* Especial para a Gazeta Esportiva