Feliz na Coreia, Muralha diz que faltou paciência do Fla e elogia Vanderlei Luxemburgo

Goal.com

Depois de ser um dos grandes destaques do Flamengo na conquista da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2011, o volante Muralha foi promovido pelo técnico Vanderlei Luxemburgo ao elenco profissional do Rubro-Negro com apenas 19 anos.

 

Sem conseguir se firmar no Flamengo, ele passou por clubes como Portuguesa-SP, Bragantino e Luverdense até chegar ao Pohang Steelers, da Coreia do Sul em junho de 2016.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

VEJA TAMBÉM:
O caminho de Messi em 2016 | Lucho González projeta 2017 no Brasil | As estrelas sem contato em 2017

 

Depois de seis meses no time coreano, o jogador renovou o contrato e seguirá em terras asiáticas. Em um bate-papo exclusivo com a Goal Brasil, Muralha revelou dificuldades na adaptação e falou sobre a principal diferença entre o futebol coreano e o brasileiro.

 

"Para mim está sendo uma experiência muito boa, é a minha primeira vez fora do país. No início foi complicado, o idioma, o clima, mas meu pai esteve comigo lá e graças a Deus correu tudo bem. Eu consegui me adaptar e jogar tranquilo".

 


(Foto: Arquivo pessoal)

 

"A grande diferença entre o futebol coreano e o brasileiro é a correria. No Brasil o futebol é mais técnico, de mais qualidade, lá é bem mais correria, é um futebol que vem evoluindo bastante".

 

Tido como uma grande promessa, Muralha chegou a receber uma proposta da Udinese, da Itália, mas preferiu seguir no time Rubro-Negro. Apesar de não ter se firmado no time carioca, o volante não guarda mágoas mas afirma que faltou um pouco de paciência.

 

"Eu acho que eu tive as minhas oportunidades, algumas eu aproveitei e outras não, oscilei um pouco mas acho que faltou um pouco de paciência. Togo jogador da base, se você for ver oscilou mas no Flamengo é diferente, você tem que ter uma regularidade se não você é colocado de lado, mas isso serviu de lição para eu para aprender e amadurecer mais rápido".

 


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

 

O grande responsável pela promoção de Muralha ao elenco profissional do Flamengo foi Vanderlei Luxemburgo, que sempre demonstrou gostar do futebol do volante, apesar de não ter mais contato com o treinador, ele colocou Luxa como um dos melhores treinadores do país.

 

"O Vanderlei sempre foi um cara que gostou do meu futebol, sempre mostrou isso, não tenho mais contato com ele mas é um cara sensacional, é um cara que as pessoas falam que está atrasado pelo jeito de trabalhar mas é um dos melhores que tem hoje aí no Brasil".

 


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

 

Para 2017, o diretor de futebol Rodrigo Caetano já revelou que o Flamengo dará mais oportunidades aos jogadores vindo das categorias de base, principalmente aqueles que tiveram poucas oportunidades no profissional este ano. Com propriedade, Muralha fala da importância de saber utilizar a prata da casa em competições deste nível.

 

"A Libertadores é um campeonato de muita pressão principalmente para quem é da base, eu joguei duas como titular, é muito difícil tem que saber utilizar o jogador que vem da base, se for mesmo utilizar é o certo, o Flamengo sempre vem revelando grandes jogadores, acabou sendo campeão da última Copinha e em 2017 tem tudo para colocar os meninos porque tem uma grande geração vindo por aí".

 


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

 

Feliz na Coreia, Muralha não pensa em retornar ao futebol brasileiro por agora, mas ainda sonha em vestir a camisa de grandes clubes quando fazer o seu "pé de meia".

 

"Meu principal objetivo é jogar em alto nível, fazer mais três, quatro anos lá fora, fazer meu pé de meia, ajudar minha família e estar bem fisicamente e caso ocorra uma volta para o Brasil eu consiga atuar em times grandes, tenho condições disso então vou trabalhar para quando chegar a oportunidade estar bem preparado"

Leia também