Felipe Melo explica apelido Pitbull e já se vê como ídolo do Palmeiras

Muitos jogadores em início de carreira sonham em se tornar ídolos de um grande clube brasileiro. Já consagrado, o volante Felipe Melo caiu rapidamente nas graças da torcida palmeirense e já se vê como ídolo do clube após apenas três meses. No entanto, o volante deixou claro que espera conquistas para consolidar seu nome na história alviverde.

“O ídolo é aquele que ganha títulos. Dado o momento, sim, já me considero ídolo. Mas para marcar história, preciso de conquistas. Acho que já sou ídolo, agora falta ter uma história como em outros clubes que passei. O Palmeiras fez um elenco forte, mas não podemos deixar só no papel. Estamos desempenhando um bom papel, mas falta muita coisa ainda”, afirmou o volante.

Nesta quarta-feira, Felipe Melo marcou seu primeiro gol com a camisa do Palmeiras. Em uma cobrança de escanteio de Michel Bastos, o volante subiu bem e testou para o fundo das redes para decretar a vitória por 2 a 0 sobre o Mirassol. Apesar da importância do tento, o camisa 30 afirmou que não lembra detalhes da jogada.

“Sei do Michel cruzando e lembro da bola entrando, mas não lembro do movimento. O último gol que fiz também foi de cabeça, em um cruzamento de um brasileiro, o Alex Telles, que hoje está no Porto. Era Inter x Chievo, acho, no San Siro, e também não me lembrava bem do gol. Não sei se é emoção, psicológico, mas o importante é lembrar da vitória, de como o time lutou, contra um adversário forte, um dos melhores entre os chamados de pequenos”, completou.

Por fim, o volante explicou a origem do apelido Pitbull, que também inspira a comemoração do atleta após seus gols. Desde que chegou ao Verdão, a torcida palmeirense canta a música “O bagulho é doido, Felipe Melo Pitbull, cachorro louco”, e após o tento desta quarta-feira, os gritos foram ainda mais altos no Palestra Itália.

Leia mais:

Felipe Melo mantém polêmica da Vila: “Não sabe brincar, sai do play”

Rafa Marques celebra gol e agradece apoio da “família Palmeiras”

Eduardo valoriza atenção ao banco: “Não pode haver zona de conforto”

“O Pitbull foi criado no Galatasaray-TUR e é bacana. Pitbull sem a bola, mas com a bola tenho demonstrado um pouco de técnica. A gente tem treinado muito esse passe em diagonal, essa virada de jogo. Porque isso é importante para a gente, nosso trabalho no treino tem sido importante. O Eduardo tem feito os jogadores flutuarem para receber a bola. Importante vencer, comemorando com Pitbull, ou não, eu glorifico o nome de Deus”, finalizou.