Feldman é demitido da CBF, e Coronel Nunes coloca em prática um desejo que já era de Caboclo

·1 minuto de leitura

Walter Feldman não é mais o secretário-geral da Confederação Brasileira de Futebol. Ele foi demitido nesta quinta-feira pelo Coronel Nunes, que ocupa a presidência de forma interina depois do afastamento de Rogério Caboclo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Aliás, a saída do dirigente também era um desejo daquele que mandava na entidade até alguns dias atrás – a alegação era falta de confiança. O cargo, que agora fica com Eduardo Zebini (diretor de mídia) de modo provisório, é o segundo na hierarquia da CBF. E, ao que tudo indica, nenhum vice-presidente se opôs à decisão.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Feldman atuava no futebol desde 2015. No início da semana, ele chegou a participar de um encontro no qual os principais clubes do país manifestaram a vontade de criar uma liga independente e, assim, administrar a competição. Ou seja, as duas principais divisões do esporte no país sairiam do comando da confederação.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos