Federação húngara suspende técnico após protesto contra racismo

Ricardo Moniz se revoltou contra atos racistas vindo das arquibancadas na Hungria. Foto: ANP Sport via Getty Images
Ricardo Moniz se revoltou contra atos racistas vindo das arquibancadas na Hungria. Foto: ANP Sport via Getty Images

Mais um caso de racismo foi registrado no futebol europeu. A federação húngara de futebol suspendeu o técnico holandês Ricardo Moniz depois que ele recebeu um cartão vermelho por tentar tirar seu time de campo quando ruídos de macacos foram direcionados a alguns de seus jogadores.

Moniz, que treina o Zalaegerszegi TE, reagiu furiosamente ao segundo incidente em quatro dias e à recusa dos árbitros em agir. O incidente aconteceu no último domingo (24) durante o jogo entre Zalaegerszegi TE e Honvéd.

Leia também:

O diretor do clube, Attila Dragóner, disse que tanto os jogadores como o clube apoiaram a ação de Moniz. "Continuaremos a sustentar que não há lugar para o racismo no campo de futebol", disse em entrevista a veículos holandeses.

Moniz disse que vai protestar contra a punição. 'Não vou aceitar e vou levar para a Uefa. Já tive o suficiente', disse ele.

Vale lembrar que Moniz era treinador do clube holandês Excelsior em 2019, quando o atacante Ahmad Mendes Moreira foi alvo de provocações racistas dos torcedores do Den Bosch. Esse incidente foi a primeira vez que uma partida profissional na Holanda foi interrompida por causa do racismo.

Um dos protagonistas do jogo foi o goleiro sérvio do Honved, que explicou o acontecido e a revolta do treinador adversário.

"Se bem entendi, os torcedores insultaram um jogador em várias ocasiões, o que acontece várias vezes quando jogam em casa. Após o incidente, o treinador decidiu primeiro protestar ao árbitro, e depois retirar a equipe do campo. O insulto não foi direcionado a ele, como se pensava, mas ao atacante da equipe" explicou.