Federação libera cubano Leal para jogar pela seleção brasileira de vôlei

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A FIVB (Federação Internacional de Vôlei) liberou oficialmente o cubano Yoandy Leal, 28, para defender a seleção brasileira de vôlei. A informação foi divulgada inicialmente pelo jornal "O Globo" e confirmada pela reportagem.

O ponta, que atua desde 2012 pelo Cruzeiro e se converteu em um dos melhores jogadores do planeta, teve sua liberação confirmada em reunião do conselho de administração da FIVB em Marrakech, no Marrocos.

Leal, no entanto, só poderá jogar pelo país em 2019, após dois anos de carência. Mesmo assim, ele deve se juntar à equipe para participar de treinos em 2017 e 2018.

A estreia do ponta pela seleção deve ocorrer em maio de 2019, por ocasião do início da Liga Mundial. Ele poderia disputar ainda outros torneios, como os Jogos Pan-Americanos de Lima. Mas o verdadeiro objetivo da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) com a naturalização é poder utilizá-lo nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020

A confederação não vai se pronunciar sobre a liberação. Na segunda-feira (15), o técnico Renan Dal Zotto vai convocar atletas para treinos e falar sobre seus planos para o jogador do Cruzeiro.

Leal já é naturalizado brasileiro desde o fim de 2015. Entretanto, para poder jogar pelo Brasil, há exigências mais rígidas. Como o atacante defendeu Cuba no início desta década, a CBV teve de submeter à federação documentação na qual fica estabelecido o vínculo.

O ingresso de Leal na seleção brasileira era um desejo de Bernardinho, que deixou o cargo de técnico da equipe em janeiro após indefinição que se arrastou após a conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio.

Com o Cruzeiro, o atacante foi tricampeão mundial de clubes (2013, 2015 e 2016) e tri da Superliga. Pela seleção cubana, foi medalha de prata no Mundial de 2010, na Itália.