Federação desiste de ir à Justiça por Paulista após falta de consenso dos clubes

CARLOS PETROCILO E JOÃO GABRIEL
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após não ter sucesso em pressionar o governo de São Paulo e na busca por outro estado onde o futebol possa ser jogado, a Federação Paulista de Futebol (FPF) adiou oficialmente a rodada deste final de semana do Campeonato Paulista. Uma reunião na tarde desta quinta-feira (18), convocada de maneira emergencial pela entidade, colocou em debate a possibilidade de ir à Justiça contra o governo de São Paulo pela continuidade da competição. O encontro virtual contou com a presença de advogados contratados pela FPF para explicar aos clubes as consequências de uma possível judicialização. Segundo a reportagem apurou, 9 dos 16 times times da Série A1 do Estadual foram contra ingressar com uma ação. O presidente da federação, Reinaldo Bastos, se absteve. Desta forma, uma nova reunião foi convocada para semana que vem, mas a rodada deste final de semana, marcada para os dias 20, 21 e 22 será adiada. Cartolas estão preocupados com uma possível deterioração da imagem dos times em sustentar o retorno do futebol enquanto o país vive uma escalda de casos e óbitos em decorrência da Covid-19. O anúncio da suspensão das competições esportivas no estado de São Paulo foi no último dia 11, como parte do pacote de medidas mais restritivas para conter o coronavírus. Na ocasião, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), acatou uma recomendação do Ministério Público, assinada pelo procurador-geral de Justiça Mario Sarrubbo. A princípio, o campeonato está impedido de ser realizado no estado de 15 a 30 de março. Os treinos estão liberados. No entanto, a Federação Paulista e os clubes estavam determinados a manter o calendário do torneio intacto. Eles defendem que o protocolo sanitário aprovado para o futebol garante a segurança da atividade. A pressão da entidade junto ao governo, no entanto, não surtiu efeito e a suspensão foi mantida. Na útlima terça-feira (16), uma reunião entre dirigentes definiu que a estratégia seria buscar outro estado para a continuidade da competição. Uma outra alternativa seria ir à Justiça para garantir a realização do campeonato em São Paulo. Sete times foram favoráveis à judicialização Inter de Limeira Ituano Guarani Mirassol Novorizontino São Paulo São Bento Nove equipes foram contra ir à Justiça Botafogo Bragantino Corinthians Ferroviária Palmeiras Ponte Preta Santos Santo André São Caetano