Federação de Atletismo dos EUA pede adiamento dos Jogos Olímpicos

AFP
Chama olímpica para os Jogos de Tóquio-2020 na estação de Sendai, no Japão 21 de março de 2020
Chama olímpica para os Jogos de Tóquio-2020 na estação de Sendai, no Japão 21 de março de 2020

A diretoria da federação de atletismo dos Estados Unidos pediu neste sábado (21) o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Em carta ao Comitê Olímpico e Paralímpico dos Estados Unidos (USOC), Max Siegel, chefe do USA Track & Field (USATF), declarou que seguir adiante com os preparativos olímpicos "não seria do melhor interesse de nossos atletas".

O pedido se soma ao realizado na sexta-feira (20) pela federação americana de natação, motivado pelas declarações da USOPC de que seria cedo demais para decidir sobre um possível adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio, previstos para 24 de junho a 9 de agosto.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Siegel pediu ao USOPC que apoie o adiamento do evento, para resguardar tanto a saúde e segurança dos atletas como a interrupção dos treinos e programas de competição devido à crise do coronavírus.

"Nossos atletas estão sob enorme pressão, estresse e ansiedade, e sua saúde mental e bem-estar estão entre nossas mais altas prioridades", declarou Siegel.

"O correto e responsável a fazer é priorizar a saúde e a segurança de todos e reconhecer de forma apropriada os efeitos que tem esta difícil situação, e que segue tendo, sobre nossos atletas e seus preparativos para os Jogos Olímpicos", completou.

"Por estes motivos, a USATF solicita respeitosamente que o Comitê Olímpico e Paralímpico dos Estados Unidos (USOPC) defenda junto ao COI o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020".

Siegel reconheceu que "não há respostas perfeitas" para "uma decisão muito complexa e difícil".

"Mas esta posição pelo menos brinda nossos atletas com a tranquilidade de saber que terão o tempo adequado para se prepararem física, mental e emocionalmente para poderem participar de Jogos Olímpicos seguros e exitosos, podendo focar nos cuidados pessoais e de suas famílias", concluiu Siegel.

Leia também