Federação argentina vai recorrer de punição a Messi, diz dirigente

(Arquivo) O jogador argentino Lionel Messi

A Associação de Futebol Argentino (AFA) vai recorrer da decisão da Fifa que suspendeu Lionel Messi por quatro jogos da seleção por proferir "palavras injuriosas" na vitória contra o Chile, dia 23 de março.

"Vamos apelas", mas "isso é mais político do que outra coisa", falou Armando Pérez, presidente da junta interventora da AFA.

Pérez admitiu que Messi "se equivocou ao insultar" o árbitro, mas considerou que a punição da Fifa é desproporcional. Depois da partida medíocre contra o Chile, o camisa 10 é considerado mais importante do que nunca.

"Puniram porque leram seus lábios", indicou Pérez.

A AFA vai "apelar à punição da Fifa. Existem antecedentes que fazem crer que se pode baixar a sanção", garantiu Jorge Miasdoqui, secretário de seleções nacionais da AFA.

A dura punição contra o capitão "é um golpe e injusta", e vamos apelar, falou.

Com a suspensão do craque do barcelona, "cortaram as Pernas de Messi e da seleção argentina", lamentou Miadosqui nos hotel em Santa Cruz, onde a Argentina está concentrada para a partida contra a Bolívia.

"Leo está machucado, com muita bronca, como estamos todos", enfatizou o dirigente da AFA.

"Não surpreende a decisão que foi tomada. Temos muita bronca pela forma que foi administrada antes de jogar", acrescentou.

Com a suspensão de Messi, a Argentina vai ficar sem o craque nas partidas contra Bolívia, Uruguai, Venezuela e Peru. O camisa 10 só ficaria disponível para a última rodada, contra o Equador.

A Argentina é terceira colocada das eliminatórias e as quatro primeiras seleções se classificam diretamente. O quinto disputa repescagem.

Depois do apito final da partida contra o Chile, Messi foi em direção ao assistente para reclamar de uma falta marcada na beira do campo, nos acréscimos da partida.