Fãs do Catar respondem protesto da Alemanha com cartazes de Özil

Torcedores do Catar na abertura contra o Equador. Imagem: Richard Gordon/Icon Sportswire via Getty Images
Torcedores do Catar na abertura contra o Equador. Imagem: Richard Gordon/Icon Sportswire via Getty Images

Não são apenas as “zebras” e acréscimos a cada fim de tempo, que ganharam os holofotes desta Copa do Mundo, ou seja, a cada partida sempre surge algum tipo de manifestação. Dessa vez, os fãs do Catar responderam o protesto da Alemanha com cartazes de Özil.

Foi possível identificar que a cada protesto da torcida local no estádio havia sempre um sujeito, que erguia o cartaz da imagem do atleta e ao mesmo tempo tampava boca. Também o tipo de gesto que denota total ironia.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Leia também:

Anteriormente pela estreia, os jogadores alemães posaram para foto oficial na partida contra o Japão com a boca tampada. A atitude significou reclamação contra o impedimento da Fifa ao goleiro Manuel Neuer de usar a braçadeira de capitão com mensagens e símbolos de apoio ao público LGBT.

O meio-campista de 34 anos, que atualmente está no futebol turco com a camisa do Istanbul Başakşehir. Na ocasião, o ex-camisa 10 da Seleção da Alemanha acusou racismo e desrespeito da DFB (Federação Alemã de Futebol). Esse foi o fato preponderante para o abandono de Özil da seleção, que tem ascendência turca.

O motivo para saída precoce de Özil da seleção alemã foi por conta da divulgação de sua foto com presidente da Turquia, Recep Erdoğan. Esse político é o líder dessa nação desde o ano de 2014 e convive com as acusações de desrespeito aos direitos humanos.

Ciente de toda repercussão, Özil acessou as suas redes sociais e emitiu comunicado, em que afirmou que não vestia mais a camisa alemã com alegria e não restou outra alternativa a não ser a sua saída.

“Eu costumava vestir a camisa alemã com tanto orgulho e emoção, mas agora não uso. Sinto-me indesejado e penso que o que consegui desde a minha estreia internacional em 2009 foi esquecido”, declarou.