Familiares de vítimas de tragédia da Chapecoense alertam que prisão de controladora é 'ponta do iceberg'

·2 minuto de leitura

Os familiares das vítimas da queda do voo LaMia 2933, que deixou 71 mortos incluindo a maior parte da delegação da Chapecoense em 2016, não ficaram empolgados com a prisão da controladora Celia Castedo Monasterio na quinta-feira. Monasterio foi a responsável por aprovar o plano de voo da aeronave na Bolívia, onde estava descrita a falta de combustível para emergências.

- A Celia é a ponta do iceberg em uma cadeia enorme de negligência das autoridades bolivianas. Acusando ela fica muito simples para o órgão que regula aviação civil na Bolívia, pois tira deles o peso da responsabilidade de revisar outras questões - disse Fabianne Belle, presidente da Associação dos Familiares do Voo da Chapecoense, em entrevista ao UOL. 

Leia também:

- Minha angústia vem desde o acidente, que sempre provocou diversos sustos no meio do caminho. Tenho medo que seja o susto final. A prisão dela não pode ser um símbolo de vitória. Ela sendo colocada em uma prisão e colocada como culpada, vai encobrir os culpados. Essa é a preocupação - completou Fabianne Belle. 

Mara Paiva, viúva do comentarista Mário Sérgio Pontes de Paiva, também falou sobre a posição de Celia Castedo Monasterio nas investigações do acidente. Ela afirmou querer um final "menos trágico". 

- Ela pode virar um salvo-conduto para empresas envolvidas, vira um bode expiatório. A atenção vai voltar para ela, mas ela é uma peça desse quebra-cabeça. Com esta prisão é possível com que muitas questões sejam reveladas. Não queremos um final feliz, queremos um final menos trágico. Aquelas pessoas entraram naquela aeronave para morrer, só não sabiam, mas entraram para morrer - acrescentou Mara Paiva. 

TRAGÉDIA DA CHAPECOENSE

​Em 28 de novembro de 2016, o voo 2933 da companhia LaMia saindo do Aeroporto Internacional Viru Viru, na Bolívia, com destino ao Aeroporto José María Córdova, na Colômbia, caiu e deixou 71 mortos. O avião transportava a delegação da Chapecoense que iria enfrentar o Atlético Nacional (COL) pela final da Copa Sul-Americana, além de jornalistas e convidados.

Apenas 6 pessoas sobreviveram à queda que aconteceu na Colômbia. Entre elas, os atletas Alan Ruschel, Jakson Follman e Neto, o jornalista Rafael Henzel, a comissária de bordo Ximena Suárez e o técnico de voo Erwin Tumiri. 

A controladora de voo Celia Castedo Monasterio aprovou o plano descrito pelo piloto da aeronave, onde mostrava que o avião não tinha combustível para uma situação de emergência.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos