#Verificamos: É falso que funcionário dos Correios dos EUA foi preso com 800 cédulas eleitorais

Agência Lupa
·2 minuto de leitura
É falso que funcionário dos Correios dos EUA foi preso com 800 cédulas eleitorais - Foto: Departamento de Justiça dos EUA / Divulgação
É falso que funcionário dos Correios dos EUA foi preso com 800 cédulas eleitorais - Foto: Departamento de Justiça dos EUA / Divulgação

por SAMUEL COSTA

Circula nas redes sociais uma publicação que afirma que Brandon Wilson, funcionário do Serviço Postal dos Estados Unidos (USPS), foi preso na Ponte da Paz, na fronteira do país com o Canadá. O texto do post diz que Wilson carregava consigo 800 cédulas eleitorais. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

É falso que funcionário dos Correios dos EUA foi preso com 800 cédulas eleitorais - Foto: Reprodução
É falso que funcionário dos Correios dos EUA foi preso com 800 cédulas eleitorais - Foto: Reprodução

“Funcionário dos Correios americano é preso com mais 800 cédulas eleitorais não entregues”

Frase em publicação do Instagram que, até às 20h38 de 9 de novembro de 2020, tinha mais de 15,7 mil interações

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. De acordo com nota emitida pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, Brandon Wilson foi preso no dia 3 de novembro na fronteira com o Canadá. O rapaz foi identificado porque levava em seu bagageiro o uniforme e o crachá de identificação do USPS, onde trabalha. Foram encontradas com ele apenas três cédulas de voto, com endereços de Buffalo, no estado de Nova York. “Este departamento está comprometido, não só com a integridade das correspondências, mas também com o cumprimento do direito do voto livre e de uma eleição segura”, disse o procurador federal James P. Kennedy Jr.

Além disso, Wilson levava 810 correspondências. Entre elas estavam 106 cartas de propaganda política, 220 correspondências de primeira classe (pequenos pacotes, grandes envelopes, cartões-postais) e 484 correspondências standard (catálogos, panfletos, boletins informativos).

O Departamento de Justiça informou que os itens encontrados no carro do réu foram averiguados por inspetores do serviço postal, que registraram tudo em um inventário. Wilson foi indiciado por atraso ou destruição de correspondência, crime que pode acarretar em até cinco anos de prisão e multa de US$ 250 mil. No momento da abordagem dos investigadores, o homem afirmou que as correspondências eram suas e de sua mãe. No entanto, ao ser interrogado, ele não conseguiu dizer todos os nomes registrados nas cartas.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes