Falso domínio: Botafogo tem posse de bola, mas fica longe de ameaçar Sampaio em derrota na Série B

·3 minuto de leitura


O Botafogo teve 61% de posse de bola, 375 passes certos e 16 finalizações na derrota por 2 a 0 para o Sampaio Corrêa, no último domingo, pela 7ª rodada da Série B, no Castelão, em São Luís-MA. Friamente, números que podem trazer um estado de lamentação ao Alvinegro por um suposto domínio. Na prática, contudo, não foi bem assim.

+ Análise: Botafogo é prejudicado, mas derrota para o Sampaio não pode ser colocada só na conta da arbitragem

De todos esses passes trocados pela equipe do Botafogo, praticamente metade foram dados entre os jogadores do sistema defensivo - Douglas Borges, a linha de quarto marcadores e Luís Oyama, primeiro volante. O Sampaio Corrêa deu a bola ao Alvinegro e defendeu em bloco baixo, mostrando as dificuldades da equipe em criar chances pelo chão.

- No primeiro tempo nós tivemos acima de 60% de posse de bola, controle total do jogo. A primeira finalização do Sampaio foi o pênalti, aos 26 minutos. Tivemos o controle total, ficamos muito mais tempo com a bola, trabalhamos mais na área. Acho que o que faltou para o Botafogo foi ter um acabamento melhor, poderíamos ter tomado melhores decisões - afirmou Marcelo Chamusca, em entrevista coletiva.

O "falso domínio" é que o Botafogo teve tamanha posse justamente por ter dificuldade de saber o que fazer com a bola no pé. Quando desafiada a criar pelo chão e encarar uma defesa postada com os dez homens no campo defensivo, o resultado foi um time que trocou muitos passes para o lado, sem objetividade e, principalmente, sem oferecer perigo ao adversário.

De todos os passes do Botafogo na partida certos na partida, 187 foram entre os jogadores que atuaram no campo defensivo para eles mesmos. Isto representou 49,9% de todas as interações do Alvinegro na partida. Todos os dados usados na reportagem são do "Footstats".

+ Veja a tabela da Série B

Ou seja, a cada 100 passes trocados pelo Botafogo diante do Sampaio Corrêa, praticamente 50 foram de um jogador da primeira linha para outro do mesmo setor. Na maior parte das vezes, estas interações foram no campo defensivo, sem trazer ameaça ao Sampaio Corrêa no terço final do campo.

Por mais que o Botafogo controlou a posse de bola no Maranhão, isto, se analisado no contexto da partida, apenas ressalta a dificuldade da equipe em criar oportunidades de gol. O Alvinegro, é preciso ressaltar, foi prejudicado pela arbitragem em um lance de gol não validado para Ronald, mas isto não pode servir como escudo para apagar um desempenho coletivo abaixo.

PASSES ENTRE OS JOGADORES DO BOTAFOGO:

Gilvan - Guilherme Santos: 23 vezes
Gilvan - Kanu: 33 vezes
Gilvan - Warley: 5 vezes
Kanu - Warley: 33 vezes
Luís Oyama - Kanu: 21 vezes
Luís Oyama - Gilvan: 6 vezes
Luís Oyama - Warley: 12 vezes
Luís Oyama - Guilherme Santos: 14 vezes
Guilherme Santos - Kanu: 3 vezes
Guilherme Santos - Warley: 2 vezes
Douglas Borges - Guilherme Santos: 4 vezes
Douglas Borges - Gilvan: 7 vezes
Douglas Borges - Kanu: 8 vezes
​Douglas Borges - Warley: 4 vezes
Douglas Borges - Luís Oyama - 4 vezes
​Daniel Borges - Kanu: 8 vezes
Daniel Borges - Douglas Borges: 1 vez

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos