Falhas de direção e freios tiram dobradinha quase certa da Shell no Velo Città

Redação GP

A Shell V-Power, já nas voltas finais da corrida 2 do Velo Città no último domingo (10), acompanhava o que deveria ser uma dobradinha de Átila Abreu e Ricardo Zonta, que voltaram da parada obrigatória dos boxes è frente do restante do grid. Mas o triunfo e o pódio quase todo vermelho não foi possível: problemas em ambos os carros tiraram o resultado da dupla e da equipe.

Abreu sofreu com problema na direção hidráulica, enquanto Zonta viu o caro #10 te defeito nos freios. Ambos caíram diversas posições antes da bandeirada, e ficaram em 10° novamente e quarto, respectivamente.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Já na corrida 1, Zonta havia conquistado boa marca, com o sexto lugar, e Abreu havia repetido o mesmo 10° lugar, que lhe colocou na pole da prova que fechou o dia em Mogi Guaçu.

Enquanto isso, a dupla da Shell Helix Ultra sofreu mais: Gaetano Di Mauro conseguiu um 16° e um 11° lugares, e Galid Osman foi 22° e 23°.

Átila Abreu (Foto: Divulgação)

Abreu ainda contou sobre como terminar a prova em si já foi um desafio devido ao problema: "O carro quebrou e fiquei sem direção hidráulica. Começou a vazar óleo na última curva, e fiquei sem direção nenhuma. Foi impossível andar rápido com esse carro, se tivesse mais duas voltas, teria de parar, não aguentava mais virar. Dei muitas voltas sem direção."

Já Zonta explicou em detalhes como o freio acabou por encerrar com suas chances de pódio: "Escolhemos abastecer bastante e trocar os quatro pneus na primeira corrida, o que era o normal com a mudança para slick. As condições eram perfeitas para a segunda corrida, tanto que os dois carros saíram juntos dos boxes para a dobradinha. Mas já quando eu vim para o box, meu pedal já ficou muito fundo."

"Quando voltei para a pista tentei bombar o pedal por toda a reta para não perder o freio, mas em várias curvas fiquei sem freio e passei reto. Hoje a experiênica fez diferença para terminar entre os cinco porque ficou muito difícil com os problemas de freio. O pódio era certeza para os dois carros, uma pena perdê-lo, seria muito legal subir de novo ao pódio aqui."

Ricardo Zonta (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Um poco de felicidade veio nas palavaras de Di Mauro,  que até celebrou os pontos cconquistados: "Foi bem difícil para nós, estávamos bem até na corrida 1 na chuva. Depois, a estratégia de vir secando meio que igualou todo mundo, os ponteiros conseguiram abastecer."

"Não deu para dar nenhum pulo diferente na corrida, mas era o que dava. Não tinha mais o que fazer, tirei o máximo que dava do carro no fim de semana, e os pontos que colhemos eram o que a gente tinha, então estou contente com isso", completou.

E, por fim, Osman foi de poucas palavras ao comentar o duro dia no interior de SP: "Na verdade optamos na primeira corrida largar de slick, o que foi uma decisão errada, e depois para a segunda corrida estávamos calçados com pneu bom e combustível. Mas na largada alguém acertou a minha traseira com muita força e acabou com meu carro, tirou todas as nossas chances."

A Stock Car volta com rodada dupla em Goiãnia, em duas semanas, no dia 24 de novembro.


 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo


O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.


Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.








Leia também