Fagner culpa gramado do Santa Cruz por futebol ruim do Corinthians

Em sua primeira partida pelo Corinthians após participar da empolgante vitória da Seleção Brasileira sobre o Paraguai, por 3 a 0, o lateral direito Fagner teve que se contentar com um monótono empate por 0 a 0 com o Botafogo-SP. Segundo ele, as condições do gramado do Estádio Santa Cruz foram determinantes para a má apresentação deste sábado, no jogo de ida das quartas de final do Campeonato Paulista.

“Concordo que foi um jogo feio. Não conseguimos colocar a bola no chão por causa do gramado, e o adversário também estava dificultando. Aí, a bola bate e volta e fica um jogo de correria e chutões, sem qualidade”, justificou Fagner, esperançoso de disputar um duelo mais vistoso na volta, em 9 de abril, em Itaquera. “No nosso estádio, pela qualidade do gramado, tenho certeza de que faremos uma partida bem melhor.”

Fagner não foi o único a reclamar do campo do Botafogo-SP. Pela esquerda, Guilherme Arana também sentiu dificuldades para dominar a bola. “Foi um jogo bem pegado. O campo estava muito seco. É difícil jogar aqui. Mas bola para a frente, que não perdemos. Vamos resolver em casa”, comentou.

Ainda que o gramado não fosse dos melhores, o Corinthians também pecou bastante, conforme reconheceu o centroavante Jô. “Temos que melhorar. A gente sabe que, se jogar desse jeito, vai ficar complicado. O nosso time cria mais, finaliza mais. Não foi assim hoje. Só tive uma chance de gol, o que é pouco para um atacante”, lamentou.

De qualquer forma, Jô também fez uma ressalva. “O time acaba se desgastando. No meu caso, é o nono ou o décimo jogo seguido que faço. Nessa fase final, tem que ser no sacrifício mesmo”, conformou-se, lembrando que o Botafogo-SP anulou o meia Jadson no Santa Cruz. “Aonde ele ia, corriam atrás. Isso diminuiu bastante o nosso poder de criação”, concluiu o centroavante corintiano.