F1: Wolff diz que Bottas teve mais azar do que incompetência em 2020

Jonathan Noble
·3 minuto de leitura

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, disse que sua equipe deve trabalhar mais para ajudar a manter os níveis de confiança de seus pilotos, em vez de ficar entre "exuberância e depressão" por causa de pequenas mudanças.

Wolff disse que as dificuldades de Valtteri Bottas no final da temporada destacaram a mudança de mentalidade que ocorre quando as ambições de um piloto pelo título de Fórmula 1 terminam. Foi um fator que ele sugere nem sempre foi apreciado antes.

Leia também:

F1: Apesar de domínio, Mercedes ainda é assombrada por “pessimismo”, diz Wolff F1: Wolff diz que se sente "comprometido para a vida" com a Mercedes Hamilton se diz "orgulhoso" por continuidade de Wolff na Mercedes

Depois de um difícil fim de semana do GP de Sakhir, em que Bottas foi ofuscado pelo substituto de Lewis Hamilton, George Russell, o finlandês e Wolff conversaram para discutir a melhor forma de se apoiarem mais um ao outro.

Uma mudança feita para o final da temporada da F1 em Abu Dhabi foi um pedido de Bottas para Wolff ser mais encorajador no rádio da equipe.

Wolff disse que lidar melhor com a mentalidade dos pilotos era algo que deveria ser feito, e a equipe precisava evitar colocar muita ênfase nas performances de um único fim de semana.

“O que precisamos olhar, e o que precisamos trabalhar de forma colaborativa, é que para os pilotos, tudo se resume a vencer o campeonato mundial”, disse Wolff ao Motorsport.com.

“E quando isso for decidido, precisamos descobrir como manter os níveis de energia altos. Mas a margem entre ganhar e perder, entre herói e zero, é muito pequena neste esporte.”

“Se ele [Bottas] tivesse liderado no GP de Sakhir e vencido a corrida, ninguém o teria criticado. E isso foi um começo bom ou menos bom. Ele também estava se recuperando na corrida antes do nosso infeliz incidente de pit stop.”

“Portanto, não devemos oscilar entre a exuberância e a depressão em termos de nosso julgamento sobre os pilotos, mas meio que ver a média e ajudar os pilotos a ter confiança, a desenvolver suas habilidades e alcançar desempenhos sustentáveis.”

Wolff diz que, embora Bottas tenha sido totalmente superado por Lewis Hamilton no ano passado, terminando 124 pontos atrás, a contagem não contou a verdadeira história de sua forma.

Ele cita o fato de que Bottas perdeu muitos pontos por meio de furos ou eventos fora de seu controle, como a bandeira vermelha no GP da Toscana.

“Valtteri teve altos, mas mais baixos este ano do que ele merecia,” acrescentou Wolff. “E os baixos não foram devidos à falta de desempenho, os baixos foram simplesmente azar.”

“Quantas vezes ele liderou uma corrida que provavelmente teria vencido antes de uma bandeira vermelha ser acionada? Ou antes de ter furado um pneu? Várias ocasiões.”

“Acho que ele poderia ter tido mais algumas vitórias. E o campeonato poderia ter ficado mais aberto por muito, muito mais tempo.”

“Ele tem um desempenho de alto nível. Não há razão para questioná-lo se ele tem aqueles fins de semana fantásticos com desempenhos de primeira.”

F1: Pilotos IGNORAM vice e Bottas vê FUNDO DO POÇO ao FICAR DE FORA em top-10 de 2020; veja ranking

PODCAST: Vettel, Alonso, Schumacher, eventos e mais: o que esperar da F1 em 2021?

Your browser does not support the audio element.