F1: Magnussen e Grosjean não estarão na Haas em 2021, dizem sites

Redação Motorsport.com
·3 minuto de leitura

Em meio às especulações sobre o mercado de pilotos da Fórmula 1 para 2021, o futuro dos atuais competidores da Haas parece pouco promissor: tanto o dinamarquês Kevin Magnussen quanto o francês Romain Grosjean foram colocados fora da equipe para o ano que vem.

As informações vêm de veículos de imprensa de diversos países, inclusive da Dinamarca. Neste caso, o jornalista Peter Nygaard afirma que a crise econômica agravada pelo coronavírus deve fazer com que a Haas procure pilotos mais inexperientes, porém com mais suporte financeiro.

O editor recomenda:

Veja como a Haas inspirou a mais recente tendência de asa traseira Marko 'questiona' Vettel na Aston e foi 'contra' escolha do alemão Ferrari usará tokens para "refazer a traseira do carro" para 2021

Assim, Magnussen já está "99,9%" fora do time norte-americano tendo em vista a formação da equipe para o ano que vem. A informação foi divulgada após entrevista feita pelo repórter com o próprio piloto durante o GP de Eifel, em Nurburgring, na Alemanha.

"Estou com 99,9% de certeza que a carreira de Kevin Magnussen na F1 terminará com o final da temporada em Abu Dhabi em 13 de dezembro. Sua carreira se tornou mais uma vítima da crise causada pelo coronavírus", afirmou Nygaard.

"Sem os problemas financeiros que surgiram com a Covid-19, Haas, Williams e outros times poderiam ter se dado ao luxo de olhar mais para o talento dos pilotos e não tanto para o apoio financeiro", cravou o jornalista, correspondente do jornal dinamarquês BT.

"A Haas provavelmente terá dois novatos, o que mostra o quão difícil é a crise. Afinal, ninguém, nem mesmo o chefe da equipe Gunther Steiner ou o proprietário Gene Haas, pode acreditar que, por exemplo, Nikita Mazepin, Callum Illott ou Robert Shwartzman possam ganhar mais pontos para em 2021 do que Magnussen. Mas eles podem contribuir no orçamento com centenas de milhões e isso infelizmente é o mais importante hoje", disse o repórter.

"Kevin sempre disse que só pilota na F1 para vencer. O objetivo sempre foi se tornar campeão, mas, como a F1 evoluiu durante a crise, esse objetivo agora é irreal. Magnussen não pode e nem vai pagar por uma das equipes menores. Por isso deixará a F1. Também já se passaram sete anos desde que ele ganhou uma corrida (Fórmula Renault) e não há perspectiva de que isso aconteça na F1. Ele me disse que não se contentará com um cargo de reserva", completou.

Em relação a Grosjean, a situação parece ser semelhante ao que vive Magnussen. Inclusive, o SoyMotor.com informa que a Haas pode confirmar a dispensa dos dois pilotos antes do GP de Portugal, disputado no próximo fim de semana no circuito de Portimão, no Algarve.

De acordo com a publicação, a dupla não fez jus às expectativas da direção do time dos Estados Unidos. Grosjean está na Haas desde 2016, quando a equipe entrou na F1. Já Magnussen foi contratado no ano seguinte, substituindo o mexicano Esteban Gutiérrez.

O site ecoa o discurso de Nygaard e coloca Mazepin, piloto russo da Fórmula 2, como um dos fortes candidatos a uma vaga na Haas em 2021. O alemão Mick Schumacher, líder da F2 e filho do heptacampeão da F1 Michael Schumacher, seria o favoritos à outra vaga.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

CEO da F1 cita outros esportes e diz que categoria não pode usar “camisa de força” contra mudanças

PODCAST: Recordes de Hamilton e Schumacher são comparáveis?

Your browser does not support the audio element.

.