F1: Hamilton chama pista do GP da Turquia de ‘aterrorizante’: “Parece uma superfície de gelo”

Luke Smith
·3 minuto de leitura

, que é "aterrorizante em toda a volta".

Os pilotos buscavam por aderência durante as sessões de treinos de sexta-feira para o GP da Turquia, enquanto a pista recém-reformada experimentava seu primeiro longo teste.

Leia também:

F1: Verstappen volta a liderar em dia 'bizarro' na Turquia; veja SEXTA-LIVRE: Os destaques dos treinos bizarros da F1 no ‘sabão’ da Turquia e as últimas da categoria F1: Russell larga do fundo do grid na Turquia após punição por troca de componentes do motor

No início do primeiro treino livre, os pilotos tinham dificuldades para acelerar normalmente em linha reta e perderam o controle do carro em diversas ocasiões, enquanto a volta mais rápida da sessão foi dez segundos mais lenta do que o tempo da pole position de 2011.

Embora as condições de aderência tenham melhorado sensivelmente ao longo do segundo treino livre, o tempo de liderança de Max Verstappen ainda foi mais de três segundos do “benchmark” de 2011.

O atual campeão mundial de F1, Hamilton, terminou o dia como o quarto mais rápido, terminando oito décimos de segundo mais lento que Verstappen na segunda sessão prática, e chamou sua volta de "um pouco desastrosa".

"Esta pista é um circuito fantástico, e eu realmente não entendo quando eles gastam milhões para refazer uma pista", disse Hamilton.

“Sei que já existia há muito tempo, mas provavelmente poderiam apenas tê-la limpado em vez de desperdiçar todo o dinheiro. Agora a pista está pior do que Portimão quando tínhamos a nova superfície lá”.

"Os pneus não estão funcionando, e você vê isso. É como uma pista de gelo lá fora. Você não consegue aproveitar a volta como faria normalmente em Istambul, e não vejo isso mudando.

"É aterrorizante em toda a volta. É quase como se houvesse manchas molhadas por toda parte, quando você está com pneus slicks, você está acelerando e se perde muito rápido."

A Pirelli optou pelo jogo de pneus mais duro para a Turquia em razão da série de curvas de média e alta velocidade, mas os pilotos tiveram dificuldades para colocá-los na janela de temperatura certa.

"Você está bem abaixo da janela de temperatura desses pneus", explicou Hamilton.

“Eles são tão difíceis e funcionam em uma determinada janela, então se você está dez ou 20 graus abaixo, eles não estão funcionando. Se você está 20 graus acima, eles não estão funcionando.

"É uma merda com M maiúsculo", disparou.

Hamilton revelou que não foi capaz de fazer nenhum trabalho no ajuste do seu carro Mercedes W11, pois passou toda a prática concentrando-se nos pneus.

"Não mudei nada com o carro hoje, porque se os pneus não estão funcionando, você não sabe realmente qual é a questão do equilíbrio e o problema é exclusivamente nos pneus", disse Hamilton.

"Mas você vê que outras pessoas estão conseguindo com que eles funcionem. Você vai de uma volta para a outra e, de repente, encontra um segundo porque os pneus desempenharam em algumas curvas”.

"Obviamente, a Red Bull está lidando muito bem com isso, e definitivamente temos trabalho a fazer esta noite para tentar descobrir o que podemos mudar. Será difícil para os fãs entenderem, porque há coisas fundamentais que você não consegue mudar no carro”.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1, MotoGP e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Hamilton despista sobre Rosberg, analisa Bottas e ‘esquece’ Alonso; assista e entenda

PODCAST: O calendário 'pós-pandemia' da F1 2021 é o mais correto? Ouça o debate

Your browser does not support the audio element.

.