F1 confirma uso de combustíveis sustentáveis em 2021 mirando neutralizar emissões de carbono

Redação Motorsport.com
·3 minuto de leitura

A Fórmula 1 continua sua busca por um esporte mais sustentável, agredindo menos o meio ambiente ao neutralizar as emissões de CO2. A categoria confirmou nesta quinta (17) mais um passo desse trajeto: a adoção de um combustível sustentável a partir de 2021.

A F1 já vinha afirmando nos últimos anos um compromisso por um esporte mais sustentável, se unindo a uma proposta da FIA e, com o objetivo se zerar suas emissões de carbono até o final da década, as primeiras mudanças serão vistas já a partir da próxima temporada.

Leia também:

Com Hamilton na ponta, chefes das equipes da F1 elegem melhores pilotos do ano em votação anônima; veja lista Stewart revela como ajudou Spielberg com gravação de 'Indiana Jones e a Última Cruzada' F1: Williams oficializa Roberts como chefe de equipe e anuncia ex-McLaren como novo CEO

A mudança foi aprovada na reunião da Comissão Mundial do Esporte a Motor da FIA, sendo um trabalho em conjunto com os esforços da Organização das Nações Unidas e o Comitê Olímpico Internacional para tornar o mundo esportivo mais sustentável, seguindo o que foi ditado pelo Acordo de Paris, tratado ambiental assinado em 2016.

As montadoras responsáveis pelas produções das unidades de potência da categoria (Mercedes, Ferrari, Honda e Renault) começaram a receber os primeiros insumos do combustível, para o desenvolvimento já para o próximo ano. A ideia por trás da novidade é que a F1 sirva como um laboratório para a tecnologia, visando uma adoção mais ampla em outras categorias chanceladas pela Federação.

Mas a F1 não quer ficar apenas nos combustíveis, visando outras iniciativas que devem ser introduzidas no esporte nos próximos anos, como a medição da pegada de carbono das equipes e aplicação de outras tecnologias sustentáveis.

No momento, a F1 segue usando gasolina nos motores, e já considera também o uso de combustíveis sintéticos para o futuro. Por outro lado, a Indy, que ainda não utiliza motores híbridos como a F1, já usa o etanol.

O presidente da FIA, Jean Todt, afirmou que a mudança representa um novo passo para a F1.

"A FIA assume a responsabilidade de liderar o esporte a motor e a mobilidade em direção a um futuro de baixa emissão de carbono para reduzir os impactos ambientais de nossos eventos, contribuindo para um planeta mais verde".

"Ao desenvolver combustíveis sustentáveis a partir de resíduos biológicos que podem alimentar a F1, estamos dando um pontapé inicial".

Alvo de muitas críticas devido à sua tecnologia complexa e alto custo de desenvolvimento, o modelo atual de motores híbridos seguirão em vigor até 2026, mas a categoria já deixou claro que seguirá comprometida com o formato híbrido no futuro, com modificações levando em consideração as visões das equipes.

Mesmo com a mudança no futuro, Ross Brawn, diretor esportivo da F1, afirmou que o modelo atual deve passar por alterações já em 2021.

"A F1 serve há muito como plataforma para a introdução de avanços no mundo automotivo. Nossa prioridade atual na luta pela sustentabilidade é a construção de um roteiro para motor híbrido que reduza as emissões e crie um benefício real para os modelos de rua. Acreditamos que isso é possível de ser feito com um motor que combine a tecnologia híbrida e combustíveis sustentáveis".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Kvyat fora da AlphaTauri! ENTENDA o impacto da mudança e VEJA como está o mercado da F1 21

PODCAST: Como ficará marcada a temporada de 2020 da F1?

Your browser does not support the audio element.