F1 confirma que seguirá com tecnologia híbrida para geração de 2026 dos motores

Jonathan Noble
·3 minuto de leitura

A Fórmula 1 anunciou que seguirá comprometida com as unidades de potência híbridas para a próxima geração de motores da categoria, que deverá entrar em vigor em 2026. A F1 acredita que essa busca por combustíveis sustentáveis pode ter um impacto positivo dramático no meio ambiente.

Até o final de 2025, o modelo atual de motores turbo híbrido seguirá sendo a norma da F1, mas as equipes e a categoria já vinham discutindo o futuro do regulamento há algum tempo.

Leia também:

F1: Liberty encerra negociações com Rio Motorsports e Globo fica próxima de manter direitos de transmissão Pérez: "Eu era a segunda opção caso Hamilton não fosse para a Mercedes" F1 confirma que chefe da Williams testou positivo para coronavírus

E enquanto a decisão da Honda de sair da F1 após 2021 levantaram discussões sobre a necessidade do esporte buscar tecnologias mais radicais como elétrico ou hidrogênio para a nova geração, o esporte reafirmou que uma nova geração de híbridos é o caminho certo a ser tomado.

A F1 acredita que o foco não deve ser em uma direção totalmente nova para os motores, mas sim buscar novos limites com combustíveis sustentáveis, buscando transferir quaisquer inovações para o mundo real.

Em um comunicado da F1 que detalha a busca por um esporte mais sustentável, ela deixou claro que o efeito dominó criado com o uso de combustíveis sustentáveis pode ser muito importante.

"É importante que a parte mais visual de nosso esporte seja sustentável e que possa ter benefícios ao mundo real. Acreditamos que com mais de 1 bilhão de um total de 1,1 bilhão de veículos no mundo usando motores de combustão interna, temos o potencial para ocupar a vanguarda na busca por tecnologias que visam a redução das emissões de carbono no mundo".

"Também acreditamos que não há uma solução única para as tecnologias de motores do futuro, mas que um motor híbrido e combustíveis sustentáveis serão um momento significativo para o esporte e o setor".

A F1 montou um grupo de trabalho com pessoas da categoria e da FIA para investigar essas tecnologias e o funcionamento dos combustíveis sustentáveis.

"O grupo será expandido para incluir especialistas das fornecedoras de motores, além de buscar conhecimento de grupos de pesquisa independentes".

A F1 detalhou também como fez progresso em sua busca para neutralizar as emissões de carbono.

A categoria recebeu a maior credencial de sustentabilidade da FIA, além de conseguir reduzir o tempo do plano de dois anos visando reduzir o espaço necessário para as transmissões nas pistas, passando a trabalhos remotos na sua sede em Biggin Hill, na Inglaterra. Isso reduzirá os funcionários presentes e frete em um terço.

A partir de 2021, a F1, a FIA e as equipes visam reduzir significativamente a quantidade de plástico usado em garrafas e utensílios, além de diminuir o desperdício de comida. Enquanto a F1 busca neutralizar suas emissões de carbono até 2030, a Red Bull anunciou seus próprios planos de cortar as emissões.

Como parte do projeto No Bull, a marca quer neutralizar suas emissões de CO2 em cerca de 5 mil toneladas no próximo ano.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1, MotoGP e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Hamilton despista sobre Rosberg, analisa Bottas e ‘esquece’ Alonso; assista e entenda

PODCAST: O calendário 'pós-pandemia' da F1 2021 é o mais correto? Ouça o debate

Your browser does not support the audio element.