F1 confirma inclusão do GP da Arábia Saudita no circuito de rua de Jeddah a partir de 2021

Guilherme Longo
·5 minuto de leitura

A Fórmula 1 se encaminha cada vez mais para ter a maior temporada de sua história em 2021, com 23 GPs. A categoria e a Arábia Saudita confirmaram nesta quinta (05) a entrada do país no Mundial a partir do próximo ano.

O GP da Arábia Saudita já era esperado, porque havia sido incluído no calendário provisório de 2021, que conta com as 22 provas originalmente programadas para 2020 além da prova, a terceira no Oriente Médio.

Leia também:

Hamilton sai em defesa de Bottas: "Não recebe o crédito que merece" Wolff elogia Verstappen: "Pilota mais do que a Red Bull é capaz de render" Hamilton: vencer o campeonato de construtores é "quase mais emocionante" que o de pilotos

A confirmação do GP foi divulgada em nota pelo governo saudita nesta quinta.

"A história será feita em 2021, quando um dos maiores eventos esportivos do mundo vir a Jeddah, para a realização do primeiro GP da Arábia Saudita de Fórmula 1", diz a nota. "A corrida, que será realizada em novembro de 2021, verá os melhores pilotos e equipes do mundo, no nível mais alto do esporte a motor, nas ruas de Jeddah, para uma espetacular corrida noturna".

Jeddah já era vista como a possível sede há algum tempo, por ser uma das cidades mais importantes do país. E a nota ainda confirma que a prova será noturna, assim como as outras duas provas da região, no Bahrein e em Abu Dhabi.

A nota ainda revela que a parceria firmada com a F1 será de múltiplos anos, sendo parte do projeto "Visão 2030", anunciado em 2016 pelo príncipe Mohammad bin Salman, que vem assumindo as funções políticas do país no lugar de seu pai. A proposta é reduzir a dependência do país ao petróleo, diversificando a economia e desenvolvendo o serviço público em áreas como saúde, educação e infraestrutura.

Nos últimos anos, a Arábia Saudita vem crescendo no âmbito esportivo, sediando eventos de diversas categorias, incluindo o eP de Diriyah da Fórmula E e as edições de 2020 e 2021 do Dakar. Fora do esporte a motor, o país recebeu eventos como as Super Copas da Espanha e da Itália, campeonatos de tênis e do europeu de golfe, além do WWE.

"A Arábia Saudita está acelerando para o futuro e a velocidade, energia e emoção da Fórmula 1 reflete perfeitamente a jornada de transformação que o país passa", disse o Ministro do Esporte, o Príncipe Abdulaziz Bin Turki Al Faisal Al Saud. "Como vimos nos últimos anos, nosso povo quer estar no centro dos principais momentos do esporte e do entretenimento.

"E nenhum deles é maior que a Fórmula 1, um evento que une as pessoas para celebrar uma ocasião que vai além do esporte".

"O esporte é uma área responsável por uma transformação massiva de nosso país e estamos fazendo progressos incríveis ao inspirar nossas comunidades a se envolverem. A participação comunitária é importante para todos nossos eventos".

Recentemente, a Anistia Internacional divulgou uma nota de alerta à F1, afirmando que a Arábia Saudita vem usando o esporte como uma cortina de fumaça para esconder seu registro de violações contra os direitos humanos. A organização pede que a categoria aja com cuidado na realização da prova.

O governo é criticado por prisões, julgamentos e torturas nas prisões de ativistas e jornalistas, como o caso de Jamal Khashoggi em 2018, onde o príncipe é acusado pela comunidade internacional de ordenar a morte do jornalista, que aconteceu dentro de uma embaixada do país na Turquia.

O país ainda classifica o feminismo, a homossexualidade e o ateísmo como atos de extremismo, algo inaceitável pelo governo.

"A potencial realização de um GP da Arábia Saudita da Fórmula 1 no país é parte de um sportswashing do registro abismal de direitos humanos", disse Felix Jakens, chefe de campanhas internacionais da Anistia.

"Caso GP da Arábia Saudita siga adiante, o mínimo que a F1 deveria fazer é insistir que todos os contratos contenham o mínimo de direitos em todas as cadeias de fornecimento, e que todos os eventos sejam abertos a todos, sem discriminação".

O CEO da F1, Chase Carey, disse estar animado com a realização do GP da Arábia Saudita.

"Estamos muito felizes por receber a Arábia Saudita à Fórmula 1 para a temporada de 2021, celebrando seu anúncio após as especulações nos últimos dias. A Arábia Saudita é um país que está rapidamente se tornando um centro para esportes e entretenimento com vários grandes eventos acontecendo aqui nos últimos anos, e estamos muito felizes com o fato da F1 passar a correr aqui a partir da próxima temporada".

"A região é muito importante para nós, com 70% da população tendo menos de 30 anos e estamos animados com o potencial de atingir novos fãs e trazer nosso público a uma corrida emocionante, em uma localização histórica".

"Iremos publicar nosso calendário provisório de 2021 nas próximas semanas, para ser aprovado pelo Conselho Mundial do Esporte a motor da FIA".

Vale lembrar que no início do ano o governo do país iniciou as obras para a construção de um autódromo em Qiddya, com previsão de conclusão para 2023. O circuito foi projetado pelo ex-piloto de F1 Alexander Wurz e alguns pilotos do grid, como Romain Grosjean, estiveram no evento de lançamento e elogiaram o projeto.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Top-7: Veja os nomes mais importantes para a construção da dinastia Mercedes na F1

PODCAST: Hamilton blefa ou fala verdade ao ameaçar deixar a F1?

Your browser does not support the audio element.