F1: Chefe da McLaren diz que infraestrutura desatualizada ainda é ponto fraco da equipe

Jonathan Noble
·3 minuto de leitura

A McLaren foi a terceira colocada do Mundial de Construtores, tendo terminado atrás apenas da Mercedes e da Red Bull.

Embora adoraria ter a chance de se sair ainda melhor em 2021, o chefe da equipe, Andreas Seidl disse que está sendo realista quanto às perspectivas.

Leia também:

Atualizações rápidas são chave para progresso da McLaren, diz chefe da equipe McLaren não pretende abandonar programa de jovens pilotos Modelo de negócios "frágil" da McLaren podia travar seu progresso na F1

Sabe-se há muito tempo que a equipe precisa de um novo túnel de vento e de simuladores se quiser ser capaz de enfrentar equipes como a Mercedes.

E, até que essas instalações estejam prontas, Seidl disse que a McLaren não pode esperar uma mudança dramática em sua sorte, especialmente em meio à luta muito acirrada prevista para o terceiro lugar em 2021.

“Acho que será novamente uma batalha, provavelmente entre quatro ou cinco equipes”, explicou. “Para essa luta de P3 a P7, vai ser parecido com o que vimos este ano.”

“Portanto, simplesmente precisamos ser realistas sobre o que é possível. Do nosso lado, ainda temos essas grandes restrições a uma infraestrutura desatualizada, que vai demorar três anos até que tenhamos todas as atualizações. E também leva tempo para levar essa infraestrutura de fato a um lugar onde você veja os benefícios dela.”

“Até então, simplesmente temos restrições. Mas, no entanto, ainda há mais potencial na equipe agora, e é isso que tentamos aumentar ou explorar para o próximo ano.”

Seidl deixou claro que o novo acordo de investimento de £185 milhões (cerca de R$ 1.3 bi) da McLaren com um consórcio americano, que foi anunciado no início deste mês, pelo menos garante que a equipe seja capaz de entrar em ação e organizar sua infraestrutura.

“Isso nos garante que teremos todos os recursos de que precisamos para operar em igualdade de condições em termos de orçamento com as grandes equipes”, disse ele.”

“Isso significa que podemos implementar nossas atualizações de infraestrutura, que começamos no ano passado, e que obviamente são fundamentais para a nossa competitividade no futuro.”

“Agora, simplesmente precisamos de tempo para continuar trabalhando em nosso plano. Também é importante não se deixar levar pelos resultados deste ano. Ainda temos um longo caminho a percorrer.”

Seidl disse que uma das grandes coisas que ele tirou da temporada 2020 da F1 foi a maneira como o pessoal da equipe se uniu para entregar a melhor temporada em anos, mesmo com as dificuldades financeiras e a pandemia.

“Estou muito orgulhoso de fazer parte da equipe hoje e acho que cada membro pode estar muito orgulhoso do que conquistamos este ano”, acrescentou.

“Foi um grande desafio com o início da pandemia. Perdemos muito neste período, mas com o grande talento que temos na equipe e com o empenho que todos demonstraram, é algo com que estou obviamente muito feliz.”

“Foi muito animador ver e mostrar que estamos caminhando na direção certa e que também podemos dar os próximos passos como equipe nos próximos anos.”

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

'CAUSOS' de RICCIARDO com Marko e cia na palavra de Cesar Ramos

PODCAST: Quem ou quais foram os maiores fiascos da F1 em 2020?

Your browser does not support the audio element.