F1: Andretti revela que teve contrato para correr na Ferrari em 1992

motorsport.com

Um dos pilotos mais icônicos do automobilismo norte-americano nos anos 1990 e campeão da Indy/CART em 1991, Michael Andretti revelou que recebeu uma proposta para correr pela Ferrari na Fórmula 1 em 1992.

Filho do lendário Mario Andretti, Michael chegou a assinar contrato com a escuderia. Entretanto, antes de ter seu título garantido em 1991, o piloto teve a ida para o time italiano vetada por Carl Haas, sócio de Paul Newman na Newman-Haas, equipe de Michael nos EUA.

Leia também:

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Veja como o amor de Zanardi pela vida surpreendeu a todos na UTI e virou força inspiradora no mundo do esporteZanardi continua estável na UTI; médicos estão satisfeitos com quadro do pilotoZanardi não estava gravando corrida com celular na hora do acidente, diz jornal

Em entrevista ao jornalista Marshall Pruett, o ex-piloto, hoje dono da equipe homônima na Indy, relembrou o episódio: “Tinha acabado de assinar um contrato com ele para 92. Mas havia uma cláusula ali sobre a Fórmula 1".

"Ele [Carl Haas] disse que nunca se aplicaria e que, se eu fosse para a F1, ele jamais me barraria. Então, em 1991, aconteceu que assinei um contrato. Isso é algo que poucas pessoas sabem. Assinei um contrato com a Ferrari para pilotar para eles em 1992”, disse Michael.

“Quando eu trouxe [o contrato] de volta para Carl, ele me falou: ‘Não vou deixar você ir’. E eu: ‘Bem, você disse que eu iria’. E fiquei muito, mas muito bravo com ele”, revelou o norte-americano, que hoje tem 57 anos.

“A próxima corrida foi em Elkhart Lake, e nós ficamos no mesmo hotel. Saímos pela manhã, e eu nem quis saber de falar com ele. Ele foi no carro da frente. Entramos no carro, e a manga do braço do casaco dele ficou do lado de fora da porta”, relembrou Michael, que venceu aquela prova.

“Então, durante o caminho para o aeroporto, eu via essa coisa balançando com o vento, e eu era como Deus. Queria estar bravo com ele, mas simplesmente não conseguia. Que cara!”, completou Andretti, que correu 13 GPs pela McLaren na F1 em 1993, somando apenas 7 pontos.

Leia também