Fórmula E anuncia venda de ingressos para o EPrix de São Paulo

Lucas di Grassi vai pilotar pela Mahindra na temporada da Fórmula E deste ano (Foto: Divulgação/Fórmula E)


Faltam poucos dias para o início da nona temporada da Fórmula E, o Campeonato Mundial de Carros Elétricos. A competição terá início no dia 14 de janeiro na Cidade do México, e terá um total de 16 etapas, sendo que uma delas será realizada pela primeira vez no Brasil.

A sexta etapa do mundial, que está programada para o dia 25 de março, será realizada em São Paulo, utilizando o Sambódromo do Anhembi e os arredores como circuito de rua para os Gen3, a terceira geração de carros elétricos da Fórmula E.

+ Flamengo anuncia novo reforço, Mourinho responde proposta da Seleção Brasileira… o Dia do Mercado!

Os ingressos para o EPrix de São Paulo já podem ser comprados através do site da Eventim.

O valor das entradas está entre R$300 e R$350, sendo que também podem ser adquiridas meia-entradas. A classificação etária é de 16 anos, sendo que todos os menores devem estar acompanhados de um adulto.

Essa será a primeira vez que a Fórmula E vai correr no Brasil. Porém, o país já faz parte da história da categoria desde sua criação, já que o piloto brasileiro Lucas di Grassi foi o primeiro piloto a garantir sua presença na competição, além de ter sido o primeiro vencedor da história ao ganhar o EPrix inaugural do campeonato, realizado em Pequim em 2014.

+ Fórmula 1 projeta faturamento de US$ 500 milhões com GP de Las Vegas

Paulista, o piloto Lucas di Grassi acredita que a etapa será especial, principalmente para ele, que está na categoria desde o primeiro EPrix e sempre lutou para que o Brasil recebesse uma etapa do mundial de carros elétricos.

- Essa etapa em São Paulo será muito especial para mim. Desde a primeira temporada tentamos realizar uma etapa da Fórmula E no Brasil. Tentamos o Rio de Janeiro, depois em São Paulo, houve conversas até com outros estados, mas nenhuma deu certo. Já foram realizadas corridas na América do Sul, como no Chile, na Argentina e no Uruguai, e nunca no Brasil - explicou o piloto brasileiro, que foi campeão da Fórmula E na terceira temporada.

Para Di Grassi, o local escolhido para sediar a etapa paulista é o mais efetivo, e faz jus à estratégia da Fórmula E em correr nos grandes centros.

- É o lugar mais efetivo para fazer uma corrida de Fórmula E. Para quem não sabe, a categoria só corre em circuitos de rua, e por isso Interlagos não era uma possibilidade. Não se trata de uma questão contratual, e sim, estratégica mesmo a Fórmula E realizar todas as suas etapas em circuitos de rua - afirmou.

- É uma pista parecida com a que foi utilizada na Fórmula Indy, porém ela não volta pela Marginal Tietê e sim, por trás, para não fechar o trânsito. É o mesmo local, porém um traçado diferente. Eu até cheguei a desenhar uma pista no Parque do Ibirapuera, e até foi feita uma análise da FIA no local e era viável de fazer, porém o custo ficaria alto para começar tudo do zero e o local mais efetivo para realizar a prova é mesmo no Anhembi - completou Di Grassi.

+ Fórmula 1: chefe da Mercedes assegura renovação com Lewis Hamilton

Dois pilotos brasileiros estão confirmados no grid da Fórmula E. Lucas di Grassi, que disputou todos os EPrix da história da categoria e é recordista em números de vitórias na categoria e único piloto a ter ultrapassado a marca de mil pontos, vai correr este ano pela Mahindra Racing. Já o mineiro Sérgio Sette Câmara, após dois anos correndo na Dragon Penske, agora é piloto na NIO 333 Racing.