Fábio Luciano recorda despedida épica pelo Flamengo e demonstra gratidão ao Inter: “Queria ter ficado no clube”

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um dos grandes zagueiros da história do Flamengo, Fábio Luciano concedeu uma entrevista ao 90min e comentou sobre diversos assuntos relacionados ao Mais Querido. Aos 46 anos, o Capitão lembra de sua trajetória no Rubro-Negro Carioca, destaca o carinho da Nação e ainda fala do ‘impacto Adriano Imperador’ no clube em 2009. Além disso, ele também avalia o trabalho de Rogério Ceni, recorda passagem pelo Internacional e os tempos intensos que passou na Turquia.

Ex-zagueiro de Ponte Preta, Corinthians, Internacional, Fenerbahçe, Colônia e Flamengo, Fábio Luciano atuou no Rio de Janeiro entre 2007 e 2009. No período, o ídolo rubro-negro disputou 93 partidas, marcou sete gols e conquistou dois Campeonatos Cariocas (2008 e 2009).

PASSAGEM PELO FLA E VÍNCULO COM A NAÇÃO

Ídolo do Flamengo, Fábio Luciano concedeu uma entrevista exclusiva ao 90min e relembrou sua trajetória no clube. | Celso Pupo/Foto Arena/Gazeta Press
Ídolo do Flamengo, Fábio Luciano concedeu uma entrevista exclusiva ao 90min e relembrou sua trajetória no clube. | Celso Pupo/Foto Arena/Gazeta Press

Fábio Luciano atuou no Flamengo por menos de três anos, mas, apesar do ‘pouco tempo’, criou um laço muito forte com o clube. Hoje, mais de 10 anos após deixar os gramados, o Capitão avalia sua relação com a equipe e destaca o carinho da Nação.

"Eu vivia intensamente o Flamengo, não só de quarta e domingo. Eu vivia de segunda a segunda. E isso o torcedor reconhece. O Flamengo teve zagueiros muito maiores do que eu, mas, como personalidade e caráter, eu consigo me colocar entre os grandes que vestiram a camisa do clube. E eu me orgulho muito disso. Fico muito feliz por esse reconhecimento, tanto dentro quanto fora de campo. Ninguém no Rio me chama de Fábio Luciano. Todo mundo me chama de 'Capitão'. É gostoso ver o pai com uma criança me chamando de Capitão. 'Poxa, Capitão, meu Capitão.' Por isso, sou muito grato ao Flamengo".

DIFICULDADES ‘DAQUELE’ FLAMENGO

Fábio Luciano precisou de pouco tempo para se firmar no Flamengo. | VANDERLEI ALMEIDA/Getty Images
Fábio Luciano precisou de pouco tempo para se firmar no Flamengo. | VANDERLEI ALMEIDA/Getty Images

Em conversa com o 90min, e também lembra que o Flamengo daquela época (2007/09) vivia uma realidade muito diferente da atual. O Rubro-Negro não ostentava o mesmo poderio financeiro e ia aos jogos com o que tinha: dedicação, entrega e comprometimento.

"Não era o Flamengo de hoje, que encanta, que pode fazer quatro, cinco gols. Era um Flamengo completamente diferente, que ia vencer o jogo por 1 a 0, e o torcedor sofreria um pouco. Era o que tinha para oferecer. Mas a torcida comprou essa luta e bateu recorde atrás de recorde de público nesse Brasileiro. Enchia o Maracanã, impulsionava os jogadores. O torcedor comprar essa ideia de um time que não tinha tanta capacidade técnica para entregar é porque tem muita hombridade envolvida".

TRABALHO DE ROGÉRIO CENI E TÍTULOS EM 2021

Rogério Ceni foi bem avaliado por Fábio Luciano, ex-zagueiro do Flamengo. | Wagner Meier/Getty Images
Rogério Ceni foi bem avaliado por Fábio Luciano, ex-zagueiro do Flamengo. | Wagner Meier/Getty Images

Já falando do 'Mais Querido de hoje', o Capitão avalia positivamente o trabalho de Rogério Ceni e crava que o clube pode brigar por tudo o que quiser na temporada.

"Rogério é um dos maiores ídolos da história de outro clube, e isso, para o torcedor do Flamengo, acaba pesando um pouco nos momentos de derrota. A torcida consegue separar o Rogério do São Paulo quando o time tá vencendo, mas, quando tá perdendo, já começa a vir essa recordação novamente: ‘Pô, o Rogério é são-paulino, não tem identificação com o Flamengo’. Mas o Rogério está conseguindo comprovar com trabalho. Ele é um profissional super dedicado, não repete treino o ano todo. E as conquistas o ajudaram muito nesse período de adaptação. O torcedor do Flamengo tem de ficar bem otimista para o futuro".

Para além de avaliar o trabalho de Ceni no Flamengo, Fábio Luciano também comenta sobre as expectativas para o clube na temporada. O Flamengo, interessado, se torna favorito a todos os títulos que disputar. Agora, a gente tem que entender o interesse que o time vai demonstrar quando essas competições estiverem ocorrendo num mesmo momento”.

DESPEDIDA ÉPICA NO FLAMENGO

Fábio Luciano se aposentou em um Maracanã lotado. | VANDERLEI ALMEIDA/Getty Images
Fábio Luciano se aposentou em um Maracanã lotado. | VANDERLEI ALMEIDA/Getty Images

Antes de tratar de outros temas, Fábio Luciano lembra de sua despedida no Flamengo. Naquela oportunidade, o zagueiro pendurou as chuteiras sendo campeão do Carioca de 2009, em um Maracanã lotado, e com um pedido da Nação para ficar.

"Eu sempre sonhei, mas nunca imaginei que um atleta poderia encerrar a carreira daquela forma, vestindo a camisa de um grande clube, em uma final de competição, com um estádio como o Maracanã lotado, pedindo para você ficar. Esse foi o jogo que realmente me fez entender que era o momento certo para eu encerrar minha carreira. As pessoas me perguntam: 'Pô, Fábio, você não se arrepende de ter parado? Todo mundo pedindo para você ficar', e eu respondo que ali eu tive a certeza que Deus tinha preparado aquele momento para eu encerrar minha carreira".

PASSAGEM PELO INTER E RUSGA COM LUXA

Fábio Luciano foi emprestado pelo Corinthians ao Internacional. | Shaun Botterill/Getty Images
Fábio Luciano foi emprestado pelo Corinthians ao Internacional. | Shaun Botterill/Getty Images

Fábio Luciano também rememora sua curta passagem pelo Internacional. Em 2001, após ter sido barrado no Corinthians por Vanderlei Luxemburgo, o Capitão foi emprestado ao Colorado e gostou da experiência em Porto Alegre.

"Agradeço muito ao Internacional. Eu passei um período curto, de cinco meses, mas foi o time que abriu as portas para mim no momento em que o Vanderlei me mandou embora do Corinthians. Foi um time que confiou no meu trabalho. Na época, eu queria muito ficar no Inter. Pelo o que eu tava entregando, pela forma como eu fui recebido... Mas eu estava emprestado do Corinthians para o Internacional. Então, encerrou-se esse empréstimo, e o Corinthians me obrigou a retornar. Tenho um carinho muito grande pelo Internacional por ter aberto as portas para mim num momento complicado".

A desavença entre Fábio Luciano e Vanderlei Luxemburgo surgiu após o técnico elaborar uma lista de dispensas, que acabou tirando o zagueiro dos planos do Timão. Sem maiores explicações, o Capitão foi ‘escanteado’ e emprestado ao Internacional. Sua passagem pelo Beira-Rio, porém, durou apenas alguns meses.

Mais adiante, quando já defendia o Fenerbahçe, o zagueiro desaconselhou a diretoria do clube a contratar Luxemburgo. Ele explica que o veto foi uma espécie de "autodefesa", por já ter sido barrado pelo treinador. Entretanto, diz que a rusga está superada por ambas as partes.

"O Vanderlei me levou para a Seleção, fomos campeões juntos. Mas ele também me fez muito mal. A gente se distanciou um pouco... Eu tinha certeza que, se o Vanderlei chegasse ao Fenerbahçe naquele momento, eu iria sair por alguma discussão nossa. E aí foi uma opção do clube permanecer com o meu trabalho e, de repente, escolher outro treinador. Mas eu tenho um respeito muito grande pelo Vanderlei. Já conversei com ele sobre isso. O que passou, passou."

FENERBAHÇE OU REAL MADRID?

Fábio Luciano viveu grandes momentos com a camisa do Fenerbahçe. | MUSTAFA OZER/Getty Images
Fábio Luciano viveu grandes momentos com a camisa do Fenerbahçe. | MUSTAFA OZER/Getty Images

Muito querido e idolatrado na Turquia, Fábio Luciano também comenta sobre os anos em que atuou pelo Fenerbahçe e destaca que não trocaria essa vivência por nada, nem mesmo por convocações para a Seleção Brasileira. Ele, inclusive, afirma que, hoje, preferiria os “Canários Amarelos” ao Real Madrid.

"Eu fui convocado [para a Seleção] pelo Corinthians e fui convocado também pelo Fenerbahçe. A geração era muito boa, cara. Antonio Carlos, Roque Júnior, Aldair, e depois veio Roque Júnior, Lúcio, Juan… Muitos zagueiros de qualidade. Não trocaria a minha ida para o Fenerbahçe por mais convocações. Porque eu fui muito feliz, amado e respeitado na Turquia... Até hoje eu sou muito importante para aquele povo. Toda as vezes que eu vou pra lá, eu me sinto em casa. É minha segunda casa. Não me arrependo em nenhum momento da transferência. Faria isso de novo, e de novo, e de novo. Depois que eu saí da Turquia, se eu tivesse que voltar para algum lugar, qualquer lugar do mundo ou da Europa, eu voltaria para lá. Do fundo do meu coração, se você perguntar: 'Fábio, Real Madrid ou Fenerbahçe?'. Fenerbahçe. Porque em nenhum lugar do mundo eu seria tão bem tratado, tão querido como eu fui lá."

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos