Ex-técnico revela absurdos no Cruzeiro e pede prisão a ex-dirigentes

Yahoo Esportes
Adilson acabou demitido do Cruzeiro em março, após derrota na Copa do Brasil (Vinnícius Silva/Cruzeiro)
Adilson acabou demitido do Cruzeiro em março, após derrota na Copa do Brasil (Vinnícius Silva/Cruzeiro)

Desempregado desde 15 de março, Adílson Batista não demonstra qualquer chateação com o Cruzeiro. Pelo contrário. Em entrevista a este blogueiro, o treinador revelou ser sócio do clube e torcedor declarado da Raposa. A ponto de tirar sarro do grande rival, Atlético. Mas Adílson anda bem chateado com tudo o que fizeram com o Cruzeiro nos últimos anos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Siga o Yahoo Esportes no Google News

"Uma folha salarial de R$ 16 milhões é um absurdo! O Cruzeiro tinha jogadores com salário de R$ 1 milhão que ficaram no banco, o que também é um erro. Jogador ganhando R$ 900 mil, R$ 800 mil, R$ 700 mil... Tem menino da base ganhando R$ 150 mil! Cara que fez cinco jogos!", reclamou Adílson.

Leia também:

Os escândalos envolvendo a Raposa não pararam por aí. "Tinha menino lá que o empresário recebeu R$ 500 mil em comissão. Teve indenização de R$ 50 milhões! Hoje, o rombo é de R$ 1 bilhão. É difícil, você fica triste", explicou o treinador, cobrando também o torcedor, que teria ignorado desmandos dos então dirigentes.

Perguntado sobre a nota que o ex-presidente Wagner Pires de Sá e o ex-vice-presidente de futebol Itair Machado merecem, Adílson respondeu: "Nota zero. Eu vou esperar eles serem presos. O Ministério Público, a Polícia Federal (têm que agir)... Eles têm que vir (para Curitiba, na Polícia Federal)... Têm que pagar, porque o que eles fizeram com o clube é para sair enjaulado", bradou.

Apesar de ter sua imagem diretamente associada ao rebaixamento para a Série B, porque era o comandante do Cruzeiro nas rodadas finais do Brasileirão, o técnico assegura que não voltaria atrás. “Não me arrependo. O sentimento que tenho pelo Cruzeiro é de amor, gratidão e respeito... No total, trabalhei lá por oito anos. Não são oito dias, 80 dias... São oito anos de dedicação ao clube, um lugar que aprendi a gostar”, finalizou.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também