Expulsão infantil de Pedro Henrique desarruma Athletico e custa o sonho do título na Libertadores

Carrinho desproporcional em Ayrton Lucas causou expulsão de Pedro Henrique (Rodrigo Buendia / AFP)


O Athletico-PR se desdobrava em campo para evitar que o Flamengo se lançasse à frente e até teve uma chance boa para marcar o gol. Porém, a expulsão infantil de Pedro Henrique na etapa inicial contribuiu para a dura derrota por 1 a 0 na decisão da Copa Libertadores, em duelo no Estádio Monumental de Guayaquil, neste sábado (29).

O Furacão apostava na marcação individual e procurava não dar brechas para que os craques Everton Ribeiro e Arrascaeta tentassem investidas. A estratégia funcionou e a equipe de Luiz Felipe Scolari assustou em finalização de Vitinho e grande chance com Alex Santana.

Contudo, a marcação do Athletico aos poucos deu sinais de cansaço. A equipe recorreu a sucessivas faltas. Até, aos 28 minutos, Pedro Henrique dar uma entrada em Gabigol e receber o cartão amarelo.

Aos poucos, o Flamengo conseguiu ser mais incisivo, rondou a área e o destino começou a mudar. Pedro Henrique avançou para combater Ayrton Lucas na esquerda e, afoito, deu um carrinho desnecessário. Prontamente, o árbitro deu o segundo amarelo e logo depois o cartão vermelho aos 42 do segundo tempo.

A zaga do Furacão ficou ainda mais desarrumada por outro motivo. Felipão optou por mexer apenas no intervalo. No espaço no qual Pedro Henrique não estava, Gabigol surgiu livre para balançar a rede e abrir o placar para o Flamengo.

A equipe paranaense demorou para digerir o gol sofrido e só teve leve melhora com a entrada de Terans e Cannobbio no segundo tempo. Mas já era tarde. Na sua segunda decisão na história da Copa Libertadores, o Furacão novamente esbarrou em um adversário brasileiro que teve mais qualidade técnica.