Ex-treinador do Chelsea elogia Romário, mas revela falta de profissionalismo

Guus Hiddink não tem dúvidas de que Romário foi um dos melhores jogadores com quem trabalhou. Ele, contudo, garante que o brasileiro não era muito fã dos treinamentos e costumava voltar ao país bem atrasado em relação aos demais companheiros.

"Eu tive Romário por três temporadas. Nós começávamos os treinos seis semanas antes. Romário sempre chegava dois ou três dias atrasados. Todo mundo estava lá. Onde estava Romário? Sim, Romário estava em Copacabana ou no carnaval", comentou em entrevista ao The Sun.

"Jogadores sul-americanos, especialmente brasileiros, têm dificuldade quando você está com o grupo e eles são criticados, então, você tem que tentar uma abordagem diferente com eles", acrescentou. 

O treinador holandês explica qual era a sua tática com o atleta que faturou o campeonato mundial com a Seleção Brasileira.

Guus Hiddink, Louis van Gaal


(Foto: Getty Images)

"Você tinha que lidar com a situação. Você fica nervoso - e finge estar, de qualquer forma - em frente ao grupo. E, então, você diz 'OK, Romário, nesta tarde, treino extra. Você fica após o almoço e trabalha. Nós vamos para a floresta. Correndo", afirmou.

"Então, depois que todo mundo ia embora, você vai com o Romário e tenho uma caminhada agradável com ele. E fala sobre futebol, vida. No outro dia, conta ao elenco 'sim, Romário trabalhou bem ontem.' E ele trabalhou... Conversa é uma forma de treino também!", concluiu.