Ex-técnico de Igor Julião em time da Eslováquia destaca versatilidade do jogador: 'É muito inteligente'

Luca Garcia*
·4 minuto de leitura


Sob o comando de Roger Machado, o Fluminense conseguiu as duas primeiras vitórias no Campeonato Carioca. Destaque nas partidas, Igor Julião fez o gol do Fla-Flu e, contra o Bangu, deu assistência para Ganso marcar. O início promissor do atleta na temporada, no entanto, não é surpresa para Gustavo Leal. O atual auxiliar técnico da Seleção Brasileira sub-20 e sub-23 foi treinador do jogador no STK Samorín, clube da Eslováquia que tinha uma parceria com o Tricolor. Ele falou com exclusividade ao LANCE! sobre o bom momento de Julião, além da versatilidade construída na Europa.

> Confira a classificação do Campeonato Carioca

Com dois jogos completos na temporada, Igor Julião conseguiu se impor de forma diferente do que em 2020. Embora ainda tenha alguns erros defensivos - como foi no Fla-Flu -, o jogador mostrou uma polivalência interessante e boa vocação ofensiva. Assim, na partida contra o Bangu, já apresentou uma regularidade maior e foi importante nos apoios, conseguindo, inclusive, dar a assistência para o gol de Ganso.

Porém, essa 'nova' função, seja jogando de lateral-direito, ou deslocado ocasionalmente para o meio-campo, não é novidade para Gustavo Leal. Ao L!, o treinador, com passagem por todas as categorias da base do Fluminense, relembrou o inicio da carreira de Julião, ainda quando jogava como armador.

- Na base, o Igor atuava como meia. É um cara muito inteligente, jogador que veio do futsal e, normalmente, atletas oriundos do futsal vem com um bom repertório, não só de ações motoras, mas também de tomadas de decisão. Então, somado essa origem do salão com a característica de ser um atleta inteligente, ele consegue se adaptar muito bem em várias funções e, com isso, busca boas soluções para os problemas, independente da posição em que ele esteja.

Além disso, perguntado sobre o perfil de formação que o atleta construiu em seu período na Eslováquia, Gustavo Leal, que foi técnico do STK Samorín (SVK) em 2017, explicou como Julião evoluiu seu lado polivalente na Europa. Vale ressaltar que por lá, Julião vestiu a 10 e fez quatro dos seus cinco gols como profissional.

- Na Eslováquia, ele atuou como meia em uma parte da temporada e também jogou como lateral em outras partidas. Nosso time era bastante ofensivo, então o Igor, mesmo como lateral, sempre apoiava o ataque. As linhas defensivas na Eslováquia são muito fortes, logo, quando também precisava desse lado defensivo, ele contribuía muito bem, realizando tranquilamente a função.

- Talvez, o Igor terminou sua passagem (no STK Samorín) sendo o jogador mais importante da equipe. Ele demonstrou ter inteligência, personalidade, conversava muito com os mais jovens, treinava em uma intensidade muito alta e jogava em um comprometimento tático muito grande. Então, eu acredito que foi importante essa passagem dele na Eslováquia, para estar tendo boas oportunidades agora no Fluminense - completou Gustavo, atual auxiliar de André Jardine na Seleção Olímpica Brasileira.

Ainda sobre a passagem de Igor Julião no STK Samorín (SVK), Gustavo Leal afirmou que o comprometimento do atleta para aprender é um diferencial que pode ajudar o Fluminense. Assim, para o ex-treinador do time eslovaco, a busca do jogador pelo desenvolvimento individual o ajuda a conseguir ler o jogo, tanto na lateral quanto no meio.

- O que me chamou atenção na Eslováquia, é que os jogadores europeus têm um comprometimento tático muito grande; não só pelo o que é passado pelo treinador, mas também por buscar ver vídeos dos adversários por conta própria. E o Igor sempre foi assim. Por falar inglês muito bem, ele conseguia uma entrada boa com os atletas eslovacos. Assim, ele era uma peça fundamental nessas questões táticas, inclusive dentro de campo, sendo meu porta-voz.

- O que é muito legal é o interesse em questões táticas. Ele sempre pergunta sobre, às vezes até quando o assunto é outro. Por exemplo, estamos com uma estratégia para enfrentar um determinado adversário e ele trás um terceiro assunto tático para o debate, ou seja, você vê que ele é interessado pelo desenvolvimento individual - disse o técnico.

Portanto, a versatilidade em campo para atuar em mais de uma posição pode render frutos positivos para o Fluminense nesta temporada. Com isso, Roger Machado pode, inclusive, utilizar mais os atletas que ganharam destaque na base. Contra o Flamengo, por exemplo, o deslocamento de Julião para o meio abriu uma vaga para Daniel Bolt atuar na lateral direita, atleta que sempre foi muito elogiado em Xerém.

Vale ressaltar, também, que o titular da lateral direita em 2020 foi Calegari, jovem de 19 anos que, igualmente a Igor Julião, pode atuar no meio-campo ou em uma linha defensiva. Hoje, para o setor de armação, o Tricolor conta com Ganso e Nenê, além de Yago Felipe e Michel Araújo que já exerceram essa função.

Perguntado sobre as adaptações de posições durante os jogos, Gustavo Leal disse que Igor Julião pode dar mais uma opção para Roger ao longo da temporada.

- Hoje a gente tem visto cada vez mais um jogador de uma posição inicial realizando outras funções em campo. Eu enxergo isso no Igor, acho que o Roger vai ter à disposição um jogador muito versátil, com uma inteligência para desempenhar e entregar algo que o Fluminense precisa, independente do setor do campo que ele esteja ocupando.

*Sob supervisão do editor Hugo Mirandela