Ex-presidente do Santos manteve contato com irmão de Bolsonaro por promessa envolvendo CT

Fábio Lázaro 
·1 minuto de leitura


O Santos não quer deixar a visita do presidente da República, Jair Bolsonaro, à Baixada Santista, incluindo a visita do chefe do Executivo à Vila Belmiro, para participar do jogo beneficente "Natal Sem Fome", na última segunda-feira (28).

Na ocasião, a autoridade, em conversa com o então presidente santista, Orlando Rollo, prometeu encontrar mecanismos jurídicos para que a área onde está o CT Rei Pelé, mas pertence à Secretaria de Patrimônio da União.

Na última semana de 2020, Rollo manteve contato com Renato Antonio, irmão de Bolsonaro, que reside na cidade de Eldorado, localizada no Vale do Ribeira, a 58km de Santos. No entanto, a articulação foi levada para o novo mandatário santista, Andrés Rueda, que assumiu o Peixe nesta sexta-feira (1°).

O Santos esteve próximo de ter o seu Centro de Treinamentos colocado para leilão, pois não cumpria as diretrizes governametais de cessão do ambiente, que era a apresentação de uma contrapartida social. Recentemente, o Peixe reativou o Instituto Santos de Responsabilidade Social, que terão os seus trabalhos alocados no CT.

Ainda assim, o Peixe corre o risco de ser cobrado pela aquisição do terreno, em um valor de R$ 90 milhões. Por isso, a possibilidade de ter o local doado pela União viria de bom grado ao Peixe.