Ex-presidente do Barcelona quebra o silêncio sobre vazamento de contratos de Messi

Bartomeu nega acusações em escândalos no Barcelona (Foto: Lluis Gene / AFP)


O ex-presidente do Barcelona, ​​Josep Maria Bartomeu , garantiu esta sexta-feira que nunca teve conhecimento das fugas de informação relacionadas com o contrato de Leo Messi, como aponta uma reportagem do incluída no escândalo apelidado 'Barçagate' sumário, no qual aparece como investigado.

- "Quero esclarecer que não fiz nenhum desses vazamentos, não autorizei nenhum desses vazamentos e não tive conhecimento prévio de nenhum vazamento - disse Bartomeu em meio às acusações sobre as exposições de ataques internos da diretoria aos jogadores.

+ Confira as notícias do mercado da bola no vaivém do L!


O relatório da polícia local conclui que pode haver um crime de revelação de segredos por parte das pessoas que vazaram o contrato de Messi para o 'El Mundo' e aponta Oscar Grau, ex-gerente geral do FC Barcelona, ​​e Román Gómez-Ponti como os supostos culpados. ex-chefe dos serviços jurídicos do clube catalão.

No mesmo relatório, foram incluídas algumas conversas privadas do WhatsApp nas quais também se falava de uma suposta campanha de difamação contra o jogador de futebol Gerard Piqué e o ex-candidato presidencial Víctor Font e da qual participaram, entre outros executivos e diretores do FC Barcelona. , Grau, Gómez-Ponti e o próprio Bartomeu.

O ex-presidente do Barcelona ainda classificou como falsas as acusações quanto ao seu possível conhecimento do vazamento do contrato de Lionel Messi, visto que entende que precisamente a sua participação nesta conversa demonstra claramente que nem o autorizou ou teve conhecimento disso.

- Como se depreende de sua mera leitura, nada mais é do que um relato (e não é o primeiro) em que os Mossos, de forma absolutamente tendenciosa e parcial, extraem certos supostos indícios completamente extraídos do contexto - disse Bartomeu, que entrou com um recurso para que o relatório fosse retirado.

No último relatório oficial, foram incluídas conversas por Whatsapp, nas quais Gómez-Ponti chama Messi, entre outras coisas, de "anão hormonal" e "rato de esgoto" e o acusa de ter feito "uma ditadura de transferência" no time azulgrana.