Ex-diretor garante que Williams "pode ficar pior" do que foi em 2019

Redação GP

Afastado da Fórmula 1 desde que deixou a Williams no fim de 2018, Rob Smedley se manteve em silêncio na maior parte do tempo. O ex-diretor de engenharia, no entanto, foi questionado sobre a possibilidade das coisas piorarem no time inglês. Segundo ele, embora a maneira de encarar as dificuldades seja acreditar que o pior já passou, a realidade é mais cruel: sempre pode haver algo pior que aquilo que já passou.

Smedley - que antes de ser o chefe da engenharia na Williams foi engenheiro da Ferrari durante anos, inclusive trabalhando ao lado de Felipe Massa durante os anos de Maranello - lembrou que a própria equipe de Grove tem encarado as dificuldades acreditando que já atingiu o fundo do poço. Nos últimos dois anos, a análise se provou equivocada. 

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Sempre houve uma filosofia de que as coisas não podiam ficar piores. Tendo passado por essa situação algumas vezes no esporte a motor, sobretudo na Fórmula 1, [sei] que a realidade pode ficar pior do que essa", afirmou em entrevista à rede de notícias 'Reuters'.

Rob Smedley (Foto: Glenn Dunbar/Williams)


"Conversamos sobre como pode ficar muito pior que em 2019, mas o mesmo foi dito sobre 2018. E nós falamos sobre isso em 2017. A realidade é que 2020 pode ser pior que 2019", disse.

Apesar de Claire Williams ter falado que a temporada desastrosa de 2019 era necessária para permitir uma retomada da equipe que leva seu sobrenome, Smedley não tem tanto otimismo.

"Qualquer um que acredita que é possível sair de onde a Williams está agora para de nada chegar ao top-5 do campeonato está muito errado. É simplesmente incorreto. Agora, que estou do lado de fora, posso torcer, mas quando estava lá dentro eu não queria só torcer", lembrou.

"É um caso trágico. Não sou da geração que não consegue lembrar de quando a Williams ganhou títulos mundiais. Ver o declínio é de partir o coração para um fã da F1", finalizou.

A Williams marcou somente um ponto em 2019, com Robert Kubica, que sequer segue nos quadros. A temporada da F1 começa em março, com o GP da Austrália.

 


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo


O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.


Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.





Leia também