Ex de CR7, frango de Casillas e bicicleta: a inspiração para o Atleti fazer o impossível contra o Real

O Atlético de Madrid terá uma missão quase impossível para chegar à final da Champions League. A equipe treinada por Diego Simeone saiu do jogo de ida da semifinal, contra o Real Madrid, com um saldo negativo que não esperava: derrota por 3 a 0 no Santiago Bernabéu.

Após a partida, os jogadores colchoneros reconheceram a tarefa quase impossível. No entanto, se recusaram a baixar a cabeça. Dentre as declarações, uma em especial provavelmente será o tema das conversas até a próxima quarta-feira (10).

“No futebol nunca se sabe. No Calderón, com Cristiano [em campo, pelo Real], ganhamos por 4 a 0”, disse o meio-campista Koke.

A lembrança do camisa 6 remete ao dia 7 de fevereiro de 2015. Naquela tarde fria, os rivais se encontravam pela 22ª rodada do Campeonato Espanhol e o time da casa conseguiu um resultado histórico.

Mandzukic Real Madrid Atletico La Liga 2015

Jogadores do Atleti comemoram goleada em 2015 (Foto: Getty Images)

O primeiro gol veio logo aos 14 minutos, quando o meio-campista Tiago aproveitou sobra de bola para arriscar um chute que seria aceito por Iker Casillas. Durante os minutos restantes, o goleiro que atualmente defende o FC Porto seria obrigado a escutar provocações pela falha.

Casillas Real Madrid Atletico La Liga 2015
Cristiano Ronaldo Real Madrid Atletico La Liga 2015

Na goleada, Casillas e CR7 foram 'alvos' dos colchoneros (Fotos: Getty Images)

A tática de usar o psicológico para afetar o adversário também se fez presente na hora de provocar Cristiano Ronaldo: em todas as vezes que o camisa 7 tocava na bola, os colchoneros gritavam o nome da modelo Irina Shayk, que pouco tempo antes havia terminado namoro com CR7. Seja por isso ou qualquer outra razão, Cristiano não viu a cor da bola naquele dia.

Saul Niguez Real Madrid Atletico La Liga 2015
Saul Niguez Real Madrid Atletico La Liga 2015

Golaço de Saúl marcou os 4 a 0 (Fotos: Getty Images)

O primeiro tempo terminou com vitória por 2 a 0 graças a um golaço de Saúl Ñíguez, que aproveitou cruzamento do brasileiro Guilherme Siqueira [hoje no Valencia] para acertar uma linda bicicleta/puxeta. Aos 67, Griezmann fez o terceiro e Mario Mandzukic [semifinalista da atual Champions League com a Juventus] transformou a vitória em goleada aos 89’: 4 a 0 e o Calderón em êxtase, com torcedores sabendo que a repetição de algo parecido seria raro.

Ironia do destino, no último jogo europeu do estádio o Atleti (que terá nova casa na próxima temporada) precisa repetir exatamente aquele histórico placar. Dentre os jogadores relacionados naquela vitória pelos colchoneros, 9 foram selecionados para a derrota da última terça-feira (02). Do lado merengue, foram 7. Para fazer o que parece impossível, o time de Simeone tem uma fonte de inspiração para, ao menos, acreditar que é possível.