Estudo aponta que misoginia em relação ao esporte feminino é comum entre fãs de futebol masculino

·2 min de leitura
Futebol feminino vai ganhando visibilidade após sucesso nas últimas competições internacionais. Foto: Hector Vivas/Getty Images
Futebol feminino vai ganhando visibilidade após sucesso nas últimas competições internacionais. Foto: Hector Vivas/Getty Images

Pesquisadores ingleses afirmam que mais de dois terços dos torcedores de futebol do sexo masculino têm atitudes hostis, sexistas ou misóginas em relação ao esporte feminino.

Estudo liderado pela Universidade de Durham, baseado em uma pesquisa com quase 2 mil torcedores de futebol masculino, detectou o que chama de “masculinidades abertamente misóginas”, independentemente da idade.

Leia também:

O estudo aproveitou o fato do aumento da visibilidade do esporte feminino nos últimos anos, principalmente desde as Olimpíadas de Londres em 2012 e a Copa do Mundo Feminina de 2015 no Canadá.

A principal autora do estudo foi Stacey Pope, professora associada do departamento de ciências do esporte e exercício da Universidade de Durham. Ela teve auxílio de pesquisadores das universidades de Leicester e South Australia.

“Este é o primeiro estudo a examinar as atitudes dos torcedores de futebol masculino do Reino Unido em relação ao esporte feminino em uma época em que o esporte feminino experimentou um perfil de mídia significativamente maior”, disse Pope.

“Nossa pesquisa mostrou que as atitudes em relação às mulheres no esporte estão, em certa medida, mudando, com atitudes mais progressivas. No entanto, as descobertas também refletem uma sociedade patriarcal na qual a misoginia é abundante. Havia inúmeros exemplos de homens de todas as gerações exibindo atitudes altamente sexistas e misóginas”.

Um subgrupo de pouco mais de 500 entrevistados que responderam a perguntas específicas foi dividido em três categorias: aqueles que exibiam visões progressistas, outros que abrigavam atitudes abertamente misóginas e misóginos encobertos.

A primeira faixa de 24% expressou forte apoio à cobertura igualitária do esporte feminino. No entanto, alguns do grupo aberto – 68% dos entrevistados – sugeriram que as mulheres não deveriam participar de esportes ou, se o fizessem, seriam mais adequadas para atividades mais “femininas”, como atletismo, em vez de futebol.

O co-autor John Williams, de Leicester, disse que “o aumento da cobertura da mídia do esporte feminino foi abertamente apoiado por alguns homens. Mas também representa claramente, para outros, uma ameaça visível”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos