Estrangeiros são as esperanças de Botafogo e Corinthians na final da Liga Sul-Americana

Sergio Santana
LANCE!
Jamaal Smith e Kyle Fuller (Arte: Gabriel Pereira/Lance!)
Jamaal Smith e Kyle Fuller (Arte: Gabriel Pereira/Lance!)


Os destaques de Botafogo e Corinthians podem não ser brasileiros, mas com certeza levam o país como uma espécie de segundo lar. Destaques no cenário nacional nos últimos anos, os norte-americanos Jamaal Smith e Kyle Fuller são as principais referências técnicas das equipes que farão a final da Liga Sul-Americana de basquete. A primeira partida será disputada na próxima quinta-feira, às 20h40, na Arena Carioca 1.

Jamaal é o maior nome de toda a história recente do Botafogo no basquete. Após passagens por Macaé e São José, o armador foi contratado para a disputa da Liga Ouro, segunda divisão do basquete, em 2017 - sendo, inclusive, o melhor jogador do torneio. No ano seguinte, liderou o Alvinegro na primeira aparição em um playoff do NBB - na ocasião, o Glorioso foi eliminado por Caxias do Sul na primeira fase.

- A expectativa é que vai ser como uma guerra. Vai ser um grande confronto, 40 minutos de briga, são duas equipes que querem a mesma coisa. Para a gente, é algo muito especial. Queremos fazer história no clube. Eu, particularmente, é meu quarto ano no Botafogo e é muito especial, viver isso tudo junto com o torcedor. Também temos que ter respeito com o Corinthians, eles têm um ótimo time. Vamos dar tudo para ganhar esse primeiro jogo, temos que dar tudo, 103% - analisou Jamaal, com exclusividade ao LANCE!.



Fuller chegou ao Brasil em 2017. Depois de passagens pelo basquete universitário americano e em clubes peruanos, o ala assinou com o Paulistano e foi importante na conquista do NBB. No ano seguinte, foi contratado pelo Corinthians e rapidamente criou laços com a Fiel. O norte-americano é o atual cestinha do Novo Basquete Brasil e um das principais do Timão.

- Eu não estou focado muito nisso porque não é um contra um, não vou jogar contra ele e ele não vai jogar contra o Jamaal. Ele é um ótimo jogar, faz uma boa temporada, mas todo o time tem grandes jogadores. Com certeza temos que respeitá-lo e tirar as coisas que ele gosta de fazer, mas não podemos só pensar nele - completou o armador do Botafogo.

Por mais que hajam outros jogadores de destaque nas equipes, não há como fugir do "duelo particular" entre Jamaal e Fuller. Referências técnicas, jogadores estrangeiros identificados com as torcidas e decisivos. Os contextos que cercam os atletas é bastante semelhante e pode traduzir aquilo que deve ser visto em quadra: equilíbrio.





Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também