'A Espanha pode ganhar a Copa do Mundo, vamos para a guerra', destaca Jordi Alba, antes da estreia


Na véspera da estreia na Copa do Mundo, Jordi Alba, lateral-esquerdo da Espanha, concedeu uma entrevista à rádio COPE. O jogador falou que a seleção tem plenas condições de conquistar o bicampeonato e elogiou o elenco comandado por Luis Enrique.

+ Espanha x Costa Rica: onde assistir, prováveis times e desfalques do jogo do Grupo E da Copa do Mundo

- O objetivo da Seleção Nacional no Mundial é vencer, viemos para isso. Olhando para o treinador e para o grupo que temos, merecemos. O que acontece é outra coisa - disse Alba à COPE, antes de completar:

+ Confira e simule a tabela da Copa do Mundo

- Esta seleção pode ganhar a Copa do Mundo, vamos para a guerra. É um grupo muito bom, e isso é muito importante - acrescentou.

Ao ser questionado sobre o comandante, Alba agradeceu a confiança e relembrou os momentos em que o treinador esteve à frente do Barcelona. O lateral também comentou sobre o momento 'streamer' e a espontaneidade de Luis Enrique.

- Luis Enrique é o melhor treinador. O que vivi com ele, não vivi ninguém. Com ele remamos todos na mesma direção. Ele mostrou que dá para ajudar o time sem jogar - explicou.

- O treinador é o que é. Temos uma imagem errada dos jogadores de futebol. Os torcedores gostam que eles podemos conhecê-lo como ele é. Nós o vemos e damos algumas risadas. Ele é muito espontâneo e gosta de piadas. Eu gostaria que mais jogadores fizessem isso. Eu também seria bom nisso, embora não esteja dizendo que vou fazer isso. Se eu fizer streamer falaria tudo que eu penso, embora as críticas que chegam pra mim sejam das redes, então me sinto muito amado. Levo na brincadeira - completou.

Por fim, o lateral, que está em sua terceira Copa do Mundo, criticou a limitação dos direitos humanos no Qatar.

- Somos todos a favor dos Direitos Humanos. Eles nos chamaram para jogar aqui e a FIFA já colocou isso em outros lugares como Brasil ou Rússia. Espero que as coisas melhorem aqui depois da Copa do Mundo. Somos jogadores de futebol e também pessoas. Temos que focar o máximo possível, mas vamos descobrir o que acontece fora da nossa bolha - concluiu