Espanha arquiva processo por cantos racistas a Vinicius Júnior

Vinicius Júnior sofreu ofensas racistas no mês de setembro antes do clássico entre Real e Atlético de Madrid. Foto: Jia Haocheng/Xinhua via Getty Images
Vinicius Júnior sofreu ofensas racistas no mês de setembro antes do clássico entre Real e Atlético de Madrid. Foto: Jia Haocheng/Xinhua via Getty Images

A Procuradoria de Madri arquivou nesta sexta-feira (2) a denúncia pelos cantos racistas proferidos contra o atacante do Real Madrid, Vinicius Júnior, antes de um clássico disputado em 21 de setembro porque, embora qualifique as expressões como "desagradáveis" e "desrespeitosas", afirma que foram divulgados num contexto de "máxima rivalidade", que apenas "duraram alguns segundos" e não constituem crime.

O Ministério Público concordou em abrir processo alguns dias depois que o jogador recebeu ofensas com expressões como "Você é um macaco, Vinicius você é um macaco!" - antes do jogo entre Atlético de Madrid e Real Madrid no Estádio Cívitas Metropolitano.

Leia também:

Alguns meses depois, o procurador acredita que não há ato específico a ser imputado a determinada pessoa e que, uma vez contextualizadas as ofensas de cunho racista, "não constituiriam crime contra a dignidade" de Vinícius, e também acrescenta que esses cantos só ocorreram duas vezes e "duraram alguns segundos".

Segundo o Ministério Público, o procurador sustenta que os insultos foram proferidos por ocasião da celebração de uma partida de futebol "de máxima rivalidade" junto com outras alusões "depreciativas" ou "zombeteiras", marcadas pela competição esportiva.

Vinicius Jr. foi o centro das atenções na Espanha no mês de setembro. Primeiro por ter as comemorações com danças criticadas, virando alvo de comentários racistas por Pedro Bravo, presidente da Associação de Agentes Espanhóis.

"Tem que respeitar o adversário. E quando você marca um gol em seu adversário, se quiser sambar, vá para o Sambódromo, no Brasil. Aqui, o que você tem que fazer é respeitar seus companheiros de profissão e deixar de brincar de macaco. Tem que respeitar", disse Bravo.

Logo depois, no clássico contra o Atlético de Madrid, o atacante brasileiro dos merengues foi alvo de cânticos de cunho racista por torcedores colchoneros fora do estádio.

A resposta veio dentro de campo quando o brasileiro teve grande participação na vitória por 2 a 1, sambando com Rodrygo no primeiro gol e fazendo linda jogada que culminou com o tento de Valverde.