Escocês Celtic ajudou Patrick, do Palmeiras, a chegar à final da Libertadores

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Quando o meio-campista Patrick de Paula, do Palmeiras, entrar no gramado do Maracanã no sábado para a final da Copa Libertadores contra o Santos, o Celtic, da Escócia, poderá reivindicar para si parte do crédito.

Patrick, de 21 anos, aprendeu futebol vestindo a famosa camisa verde e branca doada pelo clube de Glasgow a um projeto comunitário da comunidade Mario Lombardi, no Rio de Janeiro.

Hoje, o projeto é conhecido como Mario Lombardi Celtic graças a uma parceria que começou em 2006, quando membros da torcida organizada do Celtic no Rio fizeram uma doação por caridade.

Um destes membros organizou uma visita à escola de futebol da comunidade, e pouco depois o Celtic concordou em enviar os uniformes.

"O que recebíamos era do estoque fora de linha da loja do Celtic", contou o então presidente da torcida organizada, Jimmy Dunnet.

Patrick cresceu nas imediações, e aos sete anos era uma presença constante no campo de grama artificial da comunidade.

Seu talento, disse o técnico e organizador Gerson Oliveira, era óbvio.

"Tivemos que poli-lo, claro, mas ele sabia proteger a bola, tinha um pé esquerdo ótimo, estava um nível acima. Era como se tivesse nascido com uma bola nos pés."

"Este é um momento único, o momento que sempre esperei", disse Patrick à Reuters sobre a decisão no Maracanã.

"Isto é um sonho para mim e para a escola em que treinei, e um sonho para toda a comunidade. Espero que toda a comunidade esteja ligada no sábado às 17h para a final da Libertadores."