Eriksen quer jogar Copa no Qatar e diz que coração não é obstáculo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após sofrer uma parada cardíaca em junho do ano passado, durante jogo da Eurocopa, o meio-campista dinamarquês Christian Eriksen se diz recuperado do trauma e pronto para defender a seleção na Copa do Mundo do Qatar.

Ao menos é essa a vontade do jogador de 30 anos, que trabalha para voltar a jogar depois do susto que tomou em 2021, no estádio Parken, em Copenhague.

"Quero jogar com a seleção na Copa do Mundo. Meu sonho é voltar à seleção, jogar no Parken de novo e provar que o que aconteceu foi isolado e não vai acontecer novamente. Quero provar que segui em frente e posso jogar pela seleção novamente. Claro, cabe ao treinador [da seleção] avaliar meu nível. Mas o meu coração não é um obstáculo", afirmou Eriksen em entrevista ao canal DR TV, da Dinamarca.

Em sua primeira entrevista exclusiva desde o ocorrido na Euro, o meia falou sobre o carinho que recebeu dos fãs e da comunidade do futebol e agradeceu aos companheiros e médicos que o ajudaram no processo.

"Eu agradeci a quem encontrei pessoalmente. Agradeci aos médicos, meus colegas de seleção e seus familiares pessoalmente, mas todos os fãs que enviaram milhares de cartas, emails, flores, ou quem me abordou nas ruas na Itália e na Dinamarca, eu agradeci a todos eles pelo apoio", disse.

"Foi incrível que tantas pessoas tenham sentido que era preciso escrever ou mandar flores. Teve um impacto tão grande em tanta gente, e eles sentiram que era preciso eu e minha família saberem disso. Isso me deixa muito feliz."

Christian Eriksen teve uma parada cardíaca durante a estreia da Dinamarca na Eurocopa, contra a Finlândia, no dia 12 de junho de 2021, em Copenhague.

O jogador caiu subitamente no gramado aos 42 minutos do primeiro tempo e foi logo atendido por paramédicos e profissionais da seleção dinamarquesa.

Encaminhado a um hospital da capital da Dinamarca, Eriksen passou por cirurgia para a colocação de um desfibrilador cardíaco.

"No hospital, eles falavam a todo momento que eu tinha recebido mais e mais flores. Foi estranho, porque eu não esperava que recebesse tantas flores, porque eu morri por cinco minutos", afirmou o atleta, na entrevista à DR TV.

De acordo com as leis italianas, jogadores que têm o desfribilador interno não podem atuar profissionalmente no futebol do país. Por isso, o dinamarquês rescindiu seu contrato com a Inter de Milão em dezembro. Atualmente, ele procura clube.

Para manter a forma física de olho no retorno aos gramados, Eriksen tem treinado no Odense, clube no qual atuou nas categorias de base.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos