Equipe brasileira de ginástica fica longe da final em Tóquio

·4 minuto de leitura

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Fim da segunda sessão da classificação da ginástica artística masculina nas Olimpíadas de Tóquio, e o resultado ficou abaixo do esperado para o Brasil, neste sábado (24).

A equipe formada por Arthur Nory, Caio Souza, Diogo Soares e Francisco Barreto somou 247.263 pontos e está na sétima posição entre as oito que se apresentaram.

Muito dificilmente chegará à final, como fez na Rio-2016, porque para que isso aconteça poderá ser ultrapassada por no máximo uma equipe entre as quatro que ainda se apresentarão na última sessão: EUA, Alemanha, Coreia do Sul e Taiwan.

Devem pegar finais individuais Arthur Zanetti (terceiro até o momento nas argolas), Caio Souza (quarto no salto e 13º no individual geral) e o novato Diogo Soares (22º no individual geral, mas como cada país só pode classificar dois ele melhorará sua posição).

A grande decepção ficou por conta do desempenho de Arthur Nory, campeão mundial na barra fixa e fora da final no aparelho, além de ter ido mal no solo e no salto.

Como foi o desempenho da equipe brasileira:

COMEÇO NO CAVALO

O responsável por abrir a participação foi o jovem Diogo Soares, que estava estreando nas Olimpíadas. Ao fim da apresentação, ele vibrou com o resultado atingido. A sua nota foi de 12.800. Logo em seguida, Caio Souza, que também comemorou a atuação, marcou 13.400.

Francisco Barreto, um dos mais experientes da delegação, também teve um bom início, mas não ficou tão satisfeito com a nota de 13.200. Por fim, Arthur Nory não precisou fazer o aparelho em questão, afinal, os três primeiros acertaram nas apresentações, totalizando 39.400 de nota geral no cavalo.

ARGOLAS

Diogo Soares também abriu a apresentação nas argolas com 13.133 de nota. Depois dele, Chico Barreto fez 13.200. O terceiro foi Caio Souza, que fez a melhor nota do time brasileiro, com 14.333. Com o acerto dos três primeiros, Nory também não participou do aparelho.

Disputando individualmente, o campeão olímpico Arthur Zanetti concorreu sem contar nota para o time no geral. Demonstrando muita segurança, o brasileiro fez uma série limpa e deixou o aparelho demonstrando satisfação. Sua nota foi de 14.900.

SALTO

Diogo Soares começou com uma dupla pirueta e saiu confiante do aparelho. Sua nota foi de 14.066. Já Francisco Barreto foi o segundo a se apresentar. Mesmo com um desconto por conta de um erro na apresentação, ele fez 13.466.

Caio Souza fez dois saltos para tentar a vaga na final. Vale ressaltar que só o primeiro conta para a equipe, e ele fez 14.600. Para o individual, vale a média dos saltos, que foi de 14.700. Arthur Nory estreou com uma dupla pirueta, teve um bom salto, mas a chegada acabou forçando um pouco seu pé, e ele ficou com 13.500.

BARRAS PARALELAS

Diogo Soares foi quem abriu mais uma vez para os brasileiros. Desta vez, a atuação do jovem rendeu nota de 13.900. Francisco Barreto fez uma saída com um duplo carpado e teve 14.000 de nota.

Caio Souza deixou a série satisfeito com o desempenho. Tanto durante a apresentação quanto na saída, o brasileiro teve muita segurança em todos os movimentos. Sua nota foi de 14.533. Assim como nas primeiras apresentações, Nory não participou.

BARRA FIXA

Diogo Soares fez uma boa abertura para o Brasil na barra. Com uma série muito limpa, o atleta de 19 anos fez bons movimentos e também teve uma boa saída. Sua nota foi de 13.233. Francisco Barreto saiu satisfeito do aparelho, mas não curtiu muito a nota que recebeu, 13.833.

Caio Souza teve nota de 13.466. Após uma apresentação em que teve uma intercorrência, o brasileiro "escapou da barra" em um dado momento e não conseguiu completar um movimento. Já Arthur Nory voltou a participar e fez 14.133.

SOLO

Desta vez, quem começou foi Francisco Barreto, que marcou 13.000. Logo em seguida veio Diogo Soares, que fez uma boa série, marcada pela firmeza nos movimentos. A nota do jovem brasileiro foi de 14.200.

Caio Souza também saiu satisfeito da apresentação e marcou 13.966. Quem fechou a noite do Brasil foi Arthur Nory. Medalha de Bronze no Rio de Janeiro em 2016 no solo, ele fez uma série limpa, mas no último movimento sentiu um incômodo e acabou caindo na chegada. Sua nota foi de 12.800.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos