Enzo Pérez, o herói inesperado do River Plate

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
O volante Enzo Pérez, improvisado como goleiro na vitória do argentino River Plate sobre o colombiano Santa Fé, pela Copa Libertadores
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Enzo Pérez teve sua noite de glória na posição menos esperada: ele foi o goleiro de emergência de um River Plate dizimado por casos de covid-19 e o herói da vitória por 2 a 1 sobre o colombiano Independiente Santa Fe, na quarta-feira, pela quinta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores.

O volante de 35 anos colocou as luvas e foi improvisado no gol por conta do contágio dos quatro companheiros da posição em meio a um surto de coranavírus que afetou 25 membros do time argentino. Além disso, sua participação no jogo estava em dúvida devido a uma distensão muscular na coxa direita.

Mas com o River encurralado e sem substitutos, sua tarefa foi gigantesca e a vitória foi um momento épico para colocá-lo entre os grandes nomes da história co clube.

“Só tentei me concentrar em ajudar a equipe”, declarou após o duelo no estádio Monumental, em Buenos Aires.

Uma tentativa do River de relacionar um goleiro juvenil não foi autorizada pela Conmebol, que alegou que a medida era contra o regulamento.

"Éramos 11 para entrar em campo, mas um estava lesionado. Embora não fosse grave, ele não conseguiria jogar normalmente. A opção para o gol entre os relacionados era ele e ele assumiu a função com grande coragem", declarou o técnico do River, Marcelo Gallardo.

"Não é fácil ficar em uma posição desconhecida", acrescentou. No entanto, não havia opções.

"Não tínhamos um plano B, esta sempre foi a primeira opção. Precisávamos de jogadores bem fisicamente para o resto do jogo e ele era o único que não podia jogar o tempo todo", admitiu o treinador.

As fotos de Pérez abraçando Gallardo foram o registro definitivo de uma partida inédita, disputada no momento mais duro da pandemia para a região, com quase um milhão de mortos e também para a Argentina, com 3,4 milhões de contaminados e mais de 72 mil falecimentos.

- Elogios -

Apesar de estar em uma posição desconhecida, se recuperando de uma lesão e com a carga emocional das circunstâncias, Pérez mostrou uma postura incomum em campo.

"Enzo Pérez mostrou uma calma enorme", elogiou o ex-goleiro Sergio Goycochea, que defendeu a seleção argentina na final da Copa do Mundo de 1990 na Itália.

Limitado devido à lesão, ele se apoiou no excelente desempenho da defesa do River para proteger o gol.

“Ele jogava tentando ficar tranquilo, administrar os tempos por conta de um detalhe: não conseguia chutar por causa da lesão. Com isso, a linha de defesa não tinha como recuar a bola para ele", analisou Goycochea.

“A verdade, é que cumpriu a função com louvor, é preciso tirar o chapéu”, concluiu o ex-goleiro.

Apesar das circunstâncias excepcionais que o transformaram no grande nome da partida, Enzo Pérez preferiu focar no lado humano.

“Falar sobre o jogo não faz muito sentido pelo que vivemos durante esse tempo por conta da covid-19”, comentou Pérez, que disputou com a Argentina as Copas do Mundo no Brasil e na Rússia.

"O que mais gostei foi abraçar meus companheiros de equipe quando tudo acabou".

sa/ma/lca

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos