Entre 9 mil voluntários que tomaram a CoronaVac, 35% tiveram reações adversas

·1 minuto de leitura
At the press conference on July 21, 2020 in Sao Paulo, Brazil , Governor João Doria (PSDB) announces the beginning of the testing of the Chinese vaccine CORONAVAC in Brazilian volunteers at Hospital das Clínicas? SP. 20 thousand doses of the vaccine were destined for the Butantã Institute to fight the pandemic of the New Coronavirus (Covid19), according to the Government of São Paulo the forecast to make the vaccine available to the population should occur in the beginning of 2021. In the photo, Doria shows the vaccine . (Photo: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)
CoronaVac, produzida pelo laboratório SinoVac, foi testado em 9 mil brasileiros (Foto: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA via AP Images)

Entre os 9 mil voluntários brasileiros que receberam a Coronavac, vacina contra o coronavírus produzida pelo laboratório chinês SinoVac, 35% tiveram algum tipo de efeito adverso. A informação foi divulgada pelo governo de São Paulo na última segunda-feira, 19.

Segundo o Butantan, que tem parceria com a Sinovac para a testagem e produção da vacina, não foram registrados efeitos colaterais graves. A imunização está na terceira e última fase de testes.

Dimas Covas, diretos do Instituto Butantan, relatou que os principais efeitos sentidos foram dor no local da aplicação e dor de cabeça. Uma parte menos dos voluntários teve fadiga. Na última segunda-feira, autoridades paulistas adotaram maior cautela para falar sobre o início da vacinação contra a Covid-19.

“As perspectivas da vacina são otimistas, mas não podemos dar uma data específica de quando isso vai acontecer. Esperamos que até o final do ano essa vacina tenha o dossiê entregue na Anvisa, e que a Anvisa possa proceder a análise e o registro”, explicou.

Leia também

O governador João Doria (PSDB) afirmou que, entre as vacinas testadas no Brasil, a CoronaVac é a mais segura e mais promissora, com menos efeitos adversos. Estudos feitos na China, divulgados em setembro, entre os 50 mil voluntários, 94,7% deles não tiveram efeitos adversos.

Os 9 mil voluntários receberam, no total, 12 mil vacinas. O objetivo é que 13 mil pessoas participem dos testes e que cada um seja vacinado duas vezes.

Ainda não há dados sobre a eficácia da Coronavac. A ideia do governo é que essas informações sejam apresentadas até o fim do ano.