Entenda a relação dos Estados Unidos com a criação da Superliga

LANCE!
·1 minuto de leitura


A Superliga foi anunciada no último domingo e um novo modelo no futebol está prestes a ser adotado. A competição busca ser formada por 20 equipes e não haverá acesso ou rebaixamento, o que se compara as estruturas da NBA e da NFL nos Estados Unidos.

No entanto, a relação entre o torneio e os Estados Unidos vai além do novo formato, que promete gerar muito mais dinheiro para os clubes fundadores com os investimentos do banco JP Morgan. A intenção é de que mais de 4 bilhões de dólares sejam injetados. Além da instituição financeira, três clubes ingleses são comandados por empresários norte-americanos.

Joel Glazer

A família Glazer é dona do Manchester United e do Tampa Bay Buccaneers, franquia de futebol americano. O mandatário deve se tornar vice-presidente da Superliga Europeia e é um dos maiores incentivadores para o surgimento de uma nova competição.

- Ao reunir os melhores clubes e jogadores do mundo ao longo de uma temporada, a Superliga abrirá um novo capítulo para o futebol, assegurando uma competição e instalações de primeiro nível - garantiu.

Stan Kroenke

O empresário é dono do Arsenal e possui um patrimônio de aproximadamente 7 bilhões de euros. O bilionário de 73 anos também é proprietário do Los Angeles Rams, da NFL, do Denver Nuggets, da NBA, do Colorado Rapid, da MLS, e do Colorado Avalanche, da NHL.

John W. Henry

Henry é dono da Fenway Sports Group, que é proprietária do Liverpool e do Boston Red Sox, da MLB. O empresário com uma fortuna de mais de 2 bilhões deve ser um dos executivos da Superliga, apesar dos protestos dos torcedores do clube inglês.